Cotidiano

Vítima de acidente entre bicicleta elétrica e caminhão espera há 6 dias por cirurgia

Ciclista deu entrada na Santa Casa na terça-feira da semana passada

Ranziel Oliveira Publicado em 27/09/2021, às 13h40

Acidente ocorreu na terça-feira (21)
Acidente ocorreu na terça-feira (21) - (Foto: Henrique Arakaki / Jornal Midiamax)

Quase uma semana depois do acidente que envolveu um caminhão e uma bicicleta elétrica na terça-feira (21), na avenida Ernesto Geisel, a ciclista vítima da colisão ainda não conseguiu passar por cirurgia na Santa Casa de Campo Grande, após sucessivas remarcações.

Segundo a filha da vítima, Thais de Paula Santos, de 27 anos, a mãe precisa passar por uma cirurgia no braço direto — que foi fraturado com a colisão —, mas desde o dia do acidente e a efetiva entrada no hospital, o procedimento já teria sido desmarcado por oito vezes.

Segundo Thais, a Santa Casa alega que existem vários pacientes na frente, por isso a demora no atendimento. Porém, a medida está desgastando a sua mãe fisicamente. “Ela entra em jejum todos os dias às 23h e fica até 12h do outro dia, quando eles avisam que a cirurgia foi cancelada e ela entra em jejum de novo. Ela foi tomar banho e teve tontura, está sentido dor e desenvolveu diabetes pós-traumático”, disse ela.

O desabafo da filha vem carregado de desespero e um pedido de ajuda. “Já são 6 dias de espera por uma cirurgia. Se não tem vaga pelo menos não deixem ela de jejum”, desabafou Thais.

O que diz a Santa Casa

Segundo o hospital, a paciente de 48 anos deu entrada na terça-feira (21), às 11h41, trazida pela URSA do Corpo de Bombeiros vítima de acidente de trânsito, com politrauma. A paciente está estável, consciente e orientada, aguardando cirurgia devido à fratura de úmero direto.

A Santa Casa de Campo Grande informa que não foi desmarcada a cirurgia da paciente, ela está aguardando uma vaga e que devido à grande demanda cirúrgica que hoje se encontra no hospital, ainda não foi possível realizá-la. As cirurgias estão sendo realizadas conforme os graus de gravidades.

Ainda segundo o hospital, a paciente está ciente da situação do motivo da espera pela cirurgia.

Jornal Midiamax