Cotidiano

Uso de Polimixina B em pacientes internados em UTI é essencial, afirma Sinmed MS

Medicamento é usado para combater bactérias resistentes, que surgem em pacientes internados há longo prazo

Dândara Genelhú Publicado em 28/04/2021, às 15h46

Medicamento é usado em pessoas que estão internadas em UTI.
Medicamento é usado em pessoas que estão internadas em UTI. - Foto: Reprodução.

Nesta quarta-feira (28), o Jornal Midiamax noticiou que a Polimixina B está em falta em Mato Grosso do Sul e é receitada para pacientes internados com Covid-19. O medicamento é extremamente importante em casos de internações em UTI (Unidade de Terapia Intensiva), afirma o Sinmed MS (Sindicato dos Médicos de Mato Grosso do Sul).

De acordo com o médico presidente do Sinmed MS, Marcelo Silveira, o uso é feito quando outros medicamentos já foram utilizados no paciente. "Polimixina é um tipo de antibiótico usado para combater bactérias mais resistentes. Para pacientes internados a longo prazo ele é sim essencial”. 

Ele explica que as bactérias ficam mais resistentes com o uso de diversos antibióticos que existem ao redor do mundo. “Com isso, a Polimixina é um dos principais antibióticos para fazer o combate a essas bactérias resistentes”. Assim, ele lembra que a Polimixina B é específica e não é sempre que é utilizada. 

“Mas muitas vezes, ela é um antibiótico que vai ser usado dentro de uma escalada de antibióticos”. Ou seja, conforme as bactérias vão ficando resistentes, existe a necessidade de combater com medicamentos adequados. 

O uso do antibiótico não é exclusivo para pacientes Covid-19 e costuma acontecer em internações de UTI. “No entanto, com a pandemia, esses pacientes [Covid-19] permanecem muito tempo internados e possuem outras infecções além da Covid, esses antibióticos passaram a fazer uma demanda de uso muito grande”, explicou o presidente do Sinmed. 

Assim, nem um contrato do Governo de MS de R$ 606 mil não foi capaz de suprir a demanda no Estado. “Esse aumento da demanda fez com que a Polimixina passasse a faltar em Mato Grosso do Sul e em outros locais também”, ressalta Marcelo.

Ele destaca que “os medicamentos foram muito consumidos” por causa da alta demanda, causada pelo aumento no número de pacientes internados em leitos intensivos na pandemia. “Portanto deve haver um esforço conjunto com os entes públicos para tentar negociar junto com a indústria”, recomenda.

Jornal Midiamax