Cotidiano

Trabalhadores indígenas de MS seguem para colheita de maçã na região Sul do país

A Funtrab (Fundação do Trabalho de Mato Grosso do Sul) embarcou neste início de ano os primeiros trabalhadores indígenas para colheita de maçã nos estados de Santa Catarina e Rio Grande do Sul. Eles são das etnias guarani-kaiowá e terena das aldeias Amambai e Limão Verde, do município de Amambai, e das aldeias de Aquidauana, […]

Fábio Oruê Publicado em 10/01/2021, às 09h10

Indígenas trabalhando nas colheitas de maçã (Foto: Divulgação/Funtrab/Arquivo)
Indígenas trabalhando nas colheitas de maçã (Foto: Divulgação/Funtrab/Arquivo) - Indígenas trabalhando nas colheitas de maçã (Foto: Divulgação/Funtrab/Arquivo)

A Funtrab (Fundação do Trabalho de Mato Grosso do Sul) embarcou neste início de ano os primeiros trabalhadores indígenas para colheita de maçã nos estados de Santa Catarina e Rio Grande do Sul.

Eles são das etnias guarani-kaiowá e terena das aldeias Amambai e Limão Verde, do município de Amambai, e das aldeias de Aquidauana, Miranda e Iguatemi. Estão cadastrados para o embarque mil trabalhadores, sendo que as empresas farão mais contratações até o fim do mês.

A colheita da safra 2021 será de janeiro a maio deste ano. As vagas são temporárias. Os indígenas irão colher, selecionar e encaixotar as frutas.

A Funtrab realiza essa ação desde 2015, por meio de uma parceria entre o MPT (Ministério Público do Trabalho) e Comissão Permanente de Investigação e Fiscalização das Condições de Trabalho e Coletivo dos Trabalhadores Indígenas.

Na safra de 2019/2020 foram contratados 5.163 trabalhadores indígenas das etnias guarani-kaiowá e terena do Estado.

Mudanças

Responsável pela intermediação da mão de obra, a Funtrab realizou diversas ações em 2020 como reuniões, orientações e a criação de um protocolo com as condições das contratações, garantindo segurança jurídica e medidas preventivas contra o contágio do Covid-19.

Os compromissos são: recrutamento diferenciado, triagem para saber se há algum trabalhador com suspeita de Covid-19, transporte adequado, alojamento, refeitório e área de convivência readaptado, uso de máscara, álcool em gel, aferição de temperatura, distanciamento de 1,10 metro, controle na entrada das fazendas e, em casos suspeitos, testagem e acompanhamento.

Além dos protocolos de biossegurança, tudo será feito com segurança jurídica no regime da CLT (Consolidação das Leis do Trabalho). As empresas pagam o salário-base, mas o rendimento bruto pode variar de acordo com as vantagens oferecidas, como gratificação por produtividade. A remuneração pode chegar a R$ 3 mil. Os indígenas contratados recebem ainda o transporte (ida e retorno), alimentação, alojamento e cesta básica.

Jornal Midiamax