Cotidiano

Servidores do HU cobram vacina contra Covid-19, mas direção diz que recebeu só 400 doses

Após manifestação dos trabalhadores da assistência do HU-UFGD (Hospital Universitário da Universidade Federal da Grande Dourados), que protestaram na manhã desta quinta-feira (4) pela demora na imunização dos profissionais que atuam na linha de frente, a direção da instituição divulgou nota de esclarecimento. Conforme o texto divulgado pela assessoria de comunicação do HU-UFGD, ...

Marcos Morandi Publicado em 04/02/2021, às 11h24 - Atualizado às 16h44

Até agora somente 33% de servidores do HU-UFGD receberam vacina, diz nota. (Foto: Divulgação).
Até agora somente 33% de servidores do HU-UFGD receberam vacina, diz nota. (Foto: Divulgação). - Até agora somente 33% de servidores do HU-UFGD receberam vacina, diz nota. (Foto: Divulgação).

Após manifestação dos trabalhadores da assistência do HU-UFGD (Hospital Universitário da Universidade Federal da Grande Dourados), que protestaram na manhã desta quinta-feira (4) pela demora na imunização dos profissionais que atuam na linha de frente, a direção da instituição divulgou nota de esclarecimento.

Conforme o texto divulgado pela assessoria de comunicação do HU-UFGD, a vacinação contra a Covid teve início com o fornecimento, pela Secretaria Municipal de Saúde de Dourados, de aproximadamente 400 doses do imunizante.

Segundo a instituição, essa quantidade é suficiente para vacinar cerca de 33% dos trabalhadores que atuam diretamente com a assistência à saúde, incluindo funcionários de empresas terceirizadas, que estão em serviços como limpeza e higienização, de acordo com a priorização prevista no Plano Nacional de Vacinação.

Na nota, o HU-UFGD informa aguarda o fornecimento do restante das doses necessárias para vacinar os demais trabalhadores da assistência à saúde, bem como, posteriormente, os profissionais dos setores administrativos.

Além disso a nota do hospital público federal conclui que “a manifestação dos trabalhadores da assistência, nesta quinta-feira (4), motivada pela reivindicação do direito à vacina, é legítima e representa um ato de cidadania, pois demonstra também a preocupação em garantir que outras vidas possam ser cuidadas pelos profissionais que têm estado na linha de frente do combate à Pandemia”.

Jornal Midiamax