Cotidiano

Sem anestesista, bebê morre no útero da mãe na fronteira de MS

Depois de perder a criança, mulher ainda teve quer viajar 80 quilômetros para  ser internada em hospital de Porto Murtinho

Marcos Morandi Publicado em 19/04/2021, às 10h34

Unidade  paraguaia não tinha anestesista para fazer parto de emergência
Unidade paraguaia não tinha anestesista para fazer parto de emergência - Divulgação

Um bebê morreu no útero da mãe neste domingo(18), em Fort Olympus, na fronteira com Porto Murtinho, no Mato Grosso do Sul. A mulher entrou em trabalho de parto e foi levada para uma unidade de Saúde da cidade.

Entretanto, com cordão umbilical amarrado no pescoço e sem anestesista no local, mãe e filho tiveram que ser encaminhado para um hospital no Brasil, conforme relatos do pai criança, Martin Melgarejo.

O pai do bebê, segundo informaçoes do ABC Color, explicou que a cesárea de emergência não pôde ser realizada. "A partir daí, outra provação começou para nós", disse ele, ao explicar que teve que teve que levar a mulher às pressas para um hospital no Brasil.

Uma cesárea de emergência não pôde ser realizada porque não havia anestesista profissional, de acordo com o que foi informado. "A partir daí, outra provação começou para nós", disse o homem.

"Já que a vida da minha esposa estava em risco, uma vez que a criança morta estava em seu ventre, ela teve que passar por uma cirurgia para removê-la”, explica Martin, que viu a mulher sofrer enquanto aguardava uma carona de caminhão. Depois disso eles ainda viajaram mais 80 quilômetros de barco para chegar até Porto Murtinho, onde a esposa foi internada.

Jornal Midiamax