Cotidiano

Caminhoneiros pró-Bolsonaro mantêm 1 trecho com bloqueio parcial e 2 pontos de concentração em MS

Na rodovia MS-386, apenas a passagem de veículos pesados está impedida

Gabriel Maymone Publicado em 10/09/2021, às 07h31 - Atualizado às 08h37

Trecho da MS-386 é o único ponto de bloqueio registrado nesta sexta-feira em MS
Trecho da MS-386 é o único ponto de bloqueio registrado nesta sexta-feira em MS - Divulgação / BPMRv

Mato Grosso do Sul registra apenas 1 ponto de bloqueio parcial em rodovias na manhã desta sexta-feira (10). Caminhoneiros pró-Bolsonaro mantêm, ainda, outros 2 pontos de concentração, mas sem interdição ao tráfego de veículos.

O único ponto interditado nesta sexta-feira é na MS-386, na saída de Amambai para Ponta Porã. Conforme a BPMRv (Batalhão da Polícia Militar Rodoviária), os manifestantes impedem apenas a passagem de veículos pesados. Haverá liberação para passagem de caminhões apenas das 11h às 13h e, depois, o trecho volta a ser interditado até as 17h. O tráfego de carros de passeio e de veículos de emergência está liberado.

A PRF (Polícia Rodoviária Federal) informou que existem apenas dois pontos de concentração em rodovias federais. Já nas vias de jurisdição estadual, há apenas um local com tumulto, confira:

  • Três Lagoas: BR-262 km 4.
  • São Gabriel do Oeste: BR-163 km 614. 

Nesses locais, o trânsito flui normalmente.

Manifestações em MS

No final da manhã de quinta-feira, eram 7 pontos bloqueados nas seguintes rodovias: MS-306, MS-470, BR-158 e BR-163.


Caminhões parados na quinta-feira em rodovia federal de MS - Foto: Marcos Ermínio / Midiamax

Ainda pela manhã, a Justiça Federal concedeu liminar determinando o desbloqueio imediato da BR-163, sob pena de multa diária de R$ 10 mil. 

Além de MS, pelo menos outros 10 estados registram pontos de bloqueios de caminhoneiros bolsonaristas: SP, RJ, BA, GO, MA, MG, PA, RS, SC e TO. Em vários pontos, os manifestantes liberam a passagem de carros pequenos e veículos de emergência.

Apesar do apoio ao presidente, os caminhoneiros continuaram com os protestos mesmo após Bolsonaro gravar um áudio pedindo para que os manifestantes encerrem o movimento, pois "atrapalha a economia" e "prejudica todo mundo, em especial, os mais pobres".

Jornal Midiamax