Cotidiano

Projeto acolhe e orienta alunas da Reme no período menstrual

Alunas faltavam aulas quando ficavam menstruadas e não tinham orientação dos pais

Fábio Oruê Publicado em 16/09/2021, às 18h05

Meninas e meninos participam das palestras sobre a menstruação
Meninas e meninos participam das palestras sobre a menstruação - Foto: Divulgação/ PMCG

A escola tem papel fundamental na formação pedagógica e social das crianças e adolescentes, e por isso há espaço também para tratar de temas considerados “tabus”.

Na Escola Municipal José Dorilêo de Pina, no Bairro Alves Pereira, a direção escolar desenvolve o projeto "Acolhimento Menstrual", que transmite conhecimento em relação a menstruação, além de preparar e acolher as alunas. Porém todos os estudantes participam das rodas de conversa, palestras e também da distribuição de absorventes.

A diretora Maria de Fátima Moraes criou, há mais de uma década, uma estratégia para auxiliar o entendimento desta fase tão delicada da puberdade feminina. O projeto teve início após a direção perceber a falta de conhecimento a respeito do próprio corpo, pois muitas alunas eram surpreendidas com a primeira menstruação e não demonstravam ter qualquer tipo de conhecimento, além de enfrentarem outras situações como a gravidez na pré-adolescência.

“Eu percebi que as meninas faltavam aula em determinado período e os pais não tinham conhecimento. Descobrimos que era por conta da menstruação. Muitas não sabiam o que era aquilo, outras não tinham condições de comprar absorventes, por isso decidimos agir”, explica Maria de Fátima.

Evolução

A partir daí, a escola passou a adquirir absorventes e distribuí-los para as alunas em situação de vulnerabilidade social, além de acolhê-las e promover palestras para todos os alunos em parceria com a UFMS (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul) e profissionais da saúde que atuam nas Unidades Básicas de Saúde (UBS) próximas da escola.

Rapidamente houve uma mudança, com a diminuição da evasão e o aumento do rendimento escolar, levando dignidade e segurança às alunas.

Soraia Solon, coordenadora da Liga Acadêmica Multidisciplinar de Saúde – que reúne acadêmicos de diversos cursos da área da saúde da UFMS -, explica que ações assim são importantes para a promoção da escola como um local seguro de acolhimento e para que todas as dúvidas relacionadas à puberdade sejam solucionadas.

E para os alunos, o trabalho realizado já surte efeito e o ambiente escolar é considerado seguro para que eles tirem as dúvidas em relação a saúde e os cuidados necessários.

A aluna Jéssica Kovacs Tavares, do 7° ano, afirma que as oficinas trazem muito aprendizado a respeito de temas como tipos de absorventes, ovulação, fertilização e higiene da mulher. “Tem muitas meninas que ainda não menstruaram, mas que irão menstruar futuramente e que precisam desse apoio. Agora que entendo um pouco mais, quero ajudar e dizer a elas que vai ficar tudo bem, que isso é só um ciclo que todas as mulheres irão passar”, disse.

O ambiente acolhedor onde a menstruação é tratada com naturalidade e debatida por meninos e meninas, facilita o diálogo entre alunos, professores e demais funcionários. “Às vezes, os próprios meninos vêm até a direção e pedem o absorvente para alguma colega e também entendem quando as meninas estão num período mais sensível ou com cólicas, que antecede a menstruação”, afirma a diretora.

Dignidade menstrual

A lei que institui o “Programa Dignidade Menstrual” no município de Campo Grande foi sancionada no dia 26 de agosto como parte da comemoração do aniversário da cidade e prevê a implantação do mesmo na Reme (Rede Municipal de Ensino). O objetivo é a distribuição de absorventes higiênicos descartáveis para todas as estudantes em situação de vulnerabilidade social, como garantia de que elas continuem frequentando as aulas.

A Secretaria Municipal de Educação (Semed) vai atuar com orientações nas unidades escolares, além da distribuição dos absorventes e acompanhamento da frequência das estudantes.

Também cabe à pasta orientar as escolas para que promovam rodas de conversas e outras formas de diálogo para conscientização sobre os cuidados com a saúde, bem como o acompanhamento das estudantes para evitar evasão escolar por conta de situações envolvendo o período menstrual.

Jornal Midiamax