Cotidiano

Prefeitura de Corumbá debate viabilização de acesso ferroviário ao corredor bioceânico

Prefeitura e autoridades internacionais participaram de uma reunião nesta quinta

Ranziel Oliveira Publicado em 07/05/2021, às 15h18

Reunião foi realizada de forma online
Reunião foi realizada de forma online - (Foto: Renê Marcio Carneiro / Prefeitura de Corumbá)

A Prefeitura de Corumbá integra o grupo de trabalho que debate a viabilidade do aceso ferroviário ao corredor bioceânico ligando Corumbá até Antofagasta, no Chile, através da Bolívia e Argentina. A prefeitura participou de uma reunião sobre o tema nesta quinta-feira (06).

“Com certeza, a consolidação dessa rota viabilizará um aumento muito importante nas exportações e importações feitas a partir da nossa cidade. Isso sem dúvida gera mais empregos e renda para nossa população”, disse o prefeito Marcelo Iunes, que participou da segunda etapa do Clico de Workshops de Prospectos de Negócios, na tarde dessa quinta.

O evento, realizado onlilne, também contou com a participação do secretário municipal de Desenvolvimento Econômico e Sustentável, Cássio Augusto da Costa Marques; do ministro João Carlos Parkinson de Castro, diplomata das Relações Exteriores do Brasil; de representantes das empresas Granha Ligas, Votorantim, Vale e Vetorial; e do subdiretor do Corfo (Agência do Governo do Chile) Antofagasta, Juan Ignácio Zamorano.

“Esta foi a segunda etapa desse trabalho de projeções de negócios para a região. A primeira, realizada no último dia 29, deu enfoque na apresentação das mineradoras que atuam em nossa região. Nesta segunda, debatemos a viabilidade dos portos, daqui de Corumbá até o Chile, e de lá com acesso a todo mercado asiático. Na próxima vamos dialogar sobre a ferrovia”, explicou o secretário Cássio Costa Marques.

“Percebemos que o modal ferroviário é muito viável, pois pode levar não só o minério de ferro até o Porto de Antofagasta, mas também os grãos produzidos no Mato Grosso. E no sentido inverso, a rota também pode ser vantajosa para os produtos vindos da China”, complementou o secretário de Desenvolvimento Econômico e Sustentável, observando que ainda são necessários investimentos em infraestrutura ao longo do trecho.

“Essa é proposta desse grupo de trabalho: mostrar que essa opção é viável e detalhar onde os investimentos precisam ser realizados, considerando que a rota bioceânica engloba o Brasil, Bolívia, Argentina e o Chile”, completou Cássio.

Jornal Midiamax