Cotidiano

Plantio de palmeiras bocaiúvas homenageia doadores de campanha contra incêndios no Pantanal

Arrecadou R$ 2 milhões com a venda de obras doadas

Reprodução
Reprodução

Cinquenta palmeiras bocaiúvas serão plantadas no próximo dia 11 de setembro, às 9h, na Escola Jatobazinho, à beira do rio Paraguai e perto do município de Corumbá, para celebrar a contribuição de todos que participaram da campanha “Artistas pelo Pantanal”, promovida pela rede Documenta Pantanal, que arrecadou R$ 2 milhões com a venda de obras doadas por artistas e galerias para colaborar no combate aos incêndios no bioma pantaneiro.

A Escola Jatobazinho, localizada em uma das regiões mais fortemente atingidas pelos incêndios de 2020, é mantida pelo Acaia Pantanal, organização que também faz parte do Documenta Pantanal. O plantio das bocaiúvas, em uma área que receberá o nome de "Bosque dos Artistas", faz parte de um trabalho de educação ambiental com crianças ribeirinhas. Ao longo do ano letivo, as obras doadas para a campanha “Artistas pelo Pantanal” serão fonte de inspiração e referência para estudos, discussões e releituras nas salas de aula. Além disso, a ação conscientiza sobre os cuidados que precisam ser tomados para evitar os incêndios na região.

O "Bosque dos Artistas" será implantado em área aberta e visível ao público. O plantio da árvore símbolo do bioma será realizado por 60 crianças filhas de ribeirinhos e trabalhadores de fazendas da região, suas famílias e outros moradores do entorno. Também participará do evento o artista Fabrício Lopez, que doou uma das obras, representando os artistas que colaboraram com a campanha. "Será um momento festivo para materializar o agradecimento da comunidade a esse esforço. A gente imagina que todo mundo queira participar e deixar ali sua marca", afirma Sylvia Bourroul, diretora do Acaia Pantanal. Essa não é a primeira vez que a ONG realiza uma iniciativa de conscientização ao manejo do fogo. Há dez anos a organização vem desenvolvendo projetos nessa área.

Escola Jatobazinho

Situada no Porto Jatobazinho, na sub-região Paraguai Mirim do rio Paraguai, a Escola Jatobazinho foi criada há 12 anos para atender crianças e adolescentes filhos de ribeirinhos e trabalhadores das fazendas da região que não tinham a oportunidade de ir à escola por conta do difícil acesso. Hoje, abrange desde o ensino infantil ao 5o ano do fundamental. A escola é regida pelo modelo de alternância, em que são intercalados períodos de internato com folgas. As crianças e jovens chegam na escola às segundas, num barco-escola, e voltam para a casa aos sábados.

A Escola Jatobazinho e a comunidade do entorno foram bastante prejudicadas pelos incêndios de 2020. Muitos ribeirinhos tiveram dificuldades para se alimentar por conta do prejuízo que o fogo causou à pesca e da queima dos pequenos plantios. Até hoje os impactos são sentidos na região.

Palmeira Bocaiúva

A bocaiúva é uma palmeira nativa e muito representativa do Pantanal. Tem uma coroa de longas folhas, chega a 25 metros e vive até cem anos. Precisa de pouca água e dá de tudo: os frutos atraem araras, cotias, capivaras, antas e emas; o óleo da amêndoa é usado em cosméticos e fármacos, e as fibras e folhas, em cercas e telhados. Além disso, o óleo da polpa é promessa na produção de biodiesel.

Artistas pelo Pantanal

A campanha “Artistas pelo Pantanal” mobilizou expoentes da cena contemporânea brasileira, como Adriana Varejão, Ernesto Neto, Laura Lima, Nuno Ramos e Vik Muniz, bem como galerias e colecionadores, que doaram obras em prol da iniciativa. Ao todo, 45 obras de 42 artistas foram vendidas durante o período da campanha. Além do valor obtido com as vendas (R$ 2.037.450,00), outros R$ 76.500,00 foram doados de forma direta. Os recursos estão sendo administrados pela organização SOS Pantanal, responsável por organizar os treinamentos e equipar as brigadas.

Sobre o Documenta Pantanal

Criado há dois anos, o Documenta Pantanal apoia projetos artísticos, documentais e científicos voltados a divulgar o bioma, sua cultura, suas possibilidades econômicas e suas questões mais prementes. Apoia a produção de filmes, livros, aulas e outras ações voltadas para ampliar a consciência da importância do Pantanal e estimular a geração de soluções inovadoras.

Jornal Midiamax