Cotidiano

MS vai manter decreto e eventual mudança em toque de recolher depende do Prosseguir, diz Resende

Prefeitura de Campo Grande pediu relaxamento da medida em dias que antecedem comemoração do Dia das Mães

Mayara Bueno Publicado em 27/04/2021, às 11h50

Centro de Campo Grande
Centro de Campo Grande - (Foto: Marcos Ermínio, Jornal Midiamax)

O secretário de Saúde de Mato Grosso do Sul, Geraldo Resende, afirmou que o Estado deve manter o decreto de toque de recolher que, em Campo Grande, determina restrição das 20h às 5h. O comentário vem após o prefeito Marquinhos Trad (PSD) pedir ao governo estadual relaxamento da regra nos dias que antecedem o Dia das Mães, estabelecendo das 22h às 5h.

"O horário muda com o Prosseguir. Vamos ver a divulgação do Mapa do Prosseguir", afirmou Resende. Em 31 de março, a Secretaria de Saúde determinou restrição de acordo com a situação de cada cidade em relação à pandemia. Campo Grande está na bandeira cinza, quando é considerado 'risco extremo' - toque de recolher, nestes casos, fica das 20h às 5h.

Em 3 de abril, a Capital estava na bandeira vermelha, risco alto de contaminação, mas com restrição valendo das 21h às 5h. Já em 14 de abril, a cidade voltou para a bandeira cinza, onde está até, pelo menos, quarta-feira (28), quando novo mapa do Prosseguir deve ser divulgado. A cada duas semanas, o Governo de MS analisa a situação da pandemia, comparando confirmações da doença, número de mortes e internações, para avaliar novas medidas.

Relaxamento

Como o documento do governo é 'superior' às medidas eventualmente impostas por Campo Grande, a cidade não pode adotar decretos mais flexíveis, enquanto a ordem do Estado valer - só poderia editar regra mais dura, segundo explicação do procurador-geral do município, Alexandre Ávalo.

"Eu tenho buscado junto ao Estado que, pelo menos quarta, quinta, sexta, sábado e domingo, que antecede o Dia das Mães, fazer o toque de recolher das 22h às 5h", disse o prefeito Marquinhos Trad (PSD). 

Jornal Midiamax