Cotidiano

MS já recebeu três pacientes com Covid-19 de Rondônia e tem 7 leitos à disposição

O HRMS (Hospital Regional de Mato Grosso do Sul) recebeu três pacientes com coronavírus (Covid-19) do estado de Rondônia  neste fim de semana. Então, o governo de MS disponibilizou dez vagas para atender doentes daquele estado. Conforme a SES (Secretaria Estadual de Saúde), o primeiro paciente a chegar no HRMS foi um homem, de 61 […]

Gabriel Maymone Publicado em 01/02/2021, às 08h46 - Atualizado às 12h24

Secretário da Saúde disse que MS deve ter mais 102 leitos e atingiu limite de expansão de vagas. (Foto: Arquivo Midiamax)
Secretário da Saúde disse que MS deve ter mais 102 leitos e atingiu limite de expansão de vagas. (Foto: Arquivo Midiamax) - Secretário da Saúde disse que MS deve ter mais 102 leitos e atingiu limite de expansão de vagas. (Foto: Arquivo Midiamax)

O HRMS (Hospital Regional de Mato Grosso do Sul) recebeu três pacientes com coronavírus (Covid-19) do estado de Rondônia  neste fim de semana. Então, o governo de MS disponibilizou dez vagas para atender doentes daquele estado.

Conforme a SES (Secretaria Estadual de Saúde), o primeiro paciente a chegar no HRMS foi um homem, de 61 anos, que deu entrada no HRMS na sexta-feira (29) e segue internado na UTI (Unidade de Terapia Intensiva).

No domingo (31), mais dois pacientes deram entrada no hospital: uma mulher de 62 anos, de Ouro Perto do Oeste (RO) e um homem de 38 anos de Ji-Paraná (RO).

Os dois chegaram no Aeroporto Internacional de Campo Grande por um avião fretado pelo governo de Rondônia. Na aeronave, vieram a equipe médica e acompanhante dos pacientes. Então, uma viatura do Samu fez o translado até o HRMS.

Em nota, a SES afirma que “o Governo do Estado dará todo suporte aos médicos de Rondônia até o regresso deles”.

Assim, restam 7 vagas para pacientes daquele estado, que está com o sistema de saúde em colapso. Não há leitos disponíveis para pacientes, e faltam médicos e enfermeiros para atender nas unidades de saúde. Especialistas apontam que o Estado vive o período mais difícil desde o início da pandemia.

Jornal Midiamax