Cotidiano

MS é o que mais recebeu medicamentos do kit intubação durante a pandemia no Centro-Oeste

Mesmo assim, o Estado sofre com a falta de medicamentos durantes picos da pandemia

Dândara Genelhú Publicado em 20/04/2021, às 07h09

Kits servem para aliviar a dor e relaxar musculatura para ventilação mecânica.
Kits servem para aliviar a dor e relaxar musculatura para ventilação mecânica. - Foto: Reprodução.

Desde o começo da pandemia, Mato Grosso do Sul tem recebido anestésicos e bloqueadores musculares. Assim, o Estado é o que mais recebeu medicamentos do kit de intubação no Centro-Oeste. Foram 241.170 ampolas de remédios enviadas pelo Ministério da Saúde. 

Os diversos medicamentos enviados, todos anestésicos e bloqueadores musculares, são usados para internação de pessoas em UTIs (Unidades de Terapia Intensiva). São utilizados diariamente no tratamento de pacientes Covid-19 internados com uso de ventilação. 

Assim, os dados foram consultados pelo Jornal Midiamax por meio de dados abertos do Governo Federal. Então, os envios começaram em 1º de julho, quando o Estado registrou apenas 78 pacientes internados em UTIs e 39% de ocupação.

Muito diferente daquela época, o último envio registrado no sistema é de 2 de abril de 2021. Neste dia, MS tinha 403 pessoas internadas em UTIs por causa da Covid-19. O Estado atingiu superlotação de 105% neste dia. 

Os dados de internações são do boletim epidemiológico da SES (Secretaria de Estado de Saúde). Ao Jornal Midiamax, a Secretaria disse que “23 pautas de distribuição do kit intubação foram para leitos Covid”. 

Nos dados abertos são incluídos medicamentos de 12 pautas diferentes, sendo que algumas distribuições não foram listadas como pautas. Todos os envios foram destinados à SES. 

Falta de medicamentos

Assim como outros estados brasileiros, MS sofre com a escassez de medicamentos para internações em UTI. Os kits são providos pelo Governo Federal, que com a alta demanda e avanço da pandemia, acabam beirando a insuficiência para atender os pacientes em estado grave.

Mesmo sendo o que mais recebeu estes insumos no Centro-Oeste, em março o Estado passou por momentos de crise no abastecimento do kit intubação. O HRMS (Hospital Regional de Mato Grosso do Sul), referência no tratamento da Covid-19 em MS, declarou ter medicamentos para apenas 15 dias naquele mês. 

A situação continua semelhante em abril, quando funcionários denunciaram a falta de alguns medicamentos do kit no HRMS. Assim, o Governo do Estado enviou um avião até São Paulo para buscar os remédios que o Ministério tinha separado para MS. 

Qualquer paciente que faz uso de UTI está em estado grave e precisa destes medicamentos. Os anestésicos e bloqueadores musculares servem para evitar o sofrimento, dor e principalmente relaxar a caixa toráxica. Só assim os intubados conseguem fazer uso da ventilação mecânica. 

Profissionais de Saúde disseram ao Nexo que, quando a internação segue sem os medicamentos, os pacientes podem tentar até mesmo tirar o tubo da garganta com a própria mão, de tanta dor. Assim, alguns consideram que a situação possa ser comparada com tortura e causar danos psicológicos no paciente.

Jornal Midiamax