“Em toda ligação é feita a triagem do paciente, desta forma, aqueles que apresentam uma forma mais agravada da infecção, ou possuem algum fator de risco, como idade avançada ou comorbidades, por exemplo, é acompanhado a cada 24h, aqueles que não se enquadram nesta condição de maior vulnerabilidade para a doença são acompanhados em intervalos de 48h ou 72h, de acordo com seu quadro médico”, explica a equipe da em nota enviada ao Midiamax.

Este acompanhamento, por sua vez, é feito pelas equipes das unidades de saúde, que atendem os pacientes de sua área de cobertura. Ou seja, mesmo aquele paciente que tenha plano de saúde será acompanhado pela equipe da USF da região onde mora.

Barreira sanitária

Em um intervalo de uma semana foram instaladas duas barreiras sanitárias em Campo Grande, uma no Aeroporto Internacional e outra na Rodoviária. A medida foi tomada para atenuar e prevenir os feitos de uma nova onda, que pode surgir com as inéditas variantes, como a temida ômicron.

Na barreira, além da vacinação, os passageiros vão receber orientações sobre o coronavírus e poderão fazer o teste para a detecção da doença gratuitamente.

Até o momento, ainda de acordo com a Sesau, nenhum passageiro que desembarcou em Campo Grande e foi testado teve o diagnóstico positivo para infecção por Covid-19, “contudo, o mesmo protocolo se pratica caso a pessoa tenha o resultado positivo após desembarcar em Campo Grande”, finaliza a nota.