Cotidiano

Mais de 55% dos indígenas que vivem em aldeias de MS ainda não foram vacinados

Prioritários na vacinação contra a Covid-19, 56,55% dos indígenas de Mato Grosso do Sul que vivem em aldeias ainda não foram vacinados.

Dândara Genelhú Publicado em 03/02/2021, às 06h59 - Atualizado às 09h40

Foto: Arquivo Midiamax.
Foto: Arquivo Midiamax. - Foto: Arquivo Midiamax.

Prioritários na vacinação contra a Covid-19, 56,55% dos indígenas de Mato Grosso do Sul que vivem em aldeias ainda não foram vacinados. Ou seja, até esta terça-feira (2), 43,45% desta população recebeu a imunização contra o coronavírus.

Os dados são disponibilizados pela SES (Secretaria de Estado de Saúde), por meio do Portal Mais Saúde. De acordo com o painel, 18.058 indígenas que vivem em aldeias foram imunizados contra a Covid-19.

Apesar de serem incluídos como prioridade na vacinação, parte dos povos indígenas foram deixados de lado quando houve recorte em apenas os que vivem em aldeias. Para o presidente do Cimi (Conselho Indigenista Missionário), Dom Roque Paloschi, a situação vai além do descaso público. “O critério adotado demonstra racismo institucional, uma vez que define como indígenas apenas povos que vivem em aldeias de terras indígenas homologadas, ignorando os povos que vivem em contexto urbano”.

Segundo o Dsei, existem 79.092 indígenas em MS, sendo que estão divididos em 26 etnias. Assim, MS se mantém como o Dsei (Distrito Sanitário Especial Indígena) que mais registrou casos de Covid-19 e mortes causadas pela doença.

De acordo com dados da Sesai (Secretaria Especial de Saúde Indígena), o Estado atingiu 4.093 casos confirmados nesta terça-feira (2). Por fim, o boletim epidemiológico ressalta que 83 indígenas já faleceram devido ao coronavírus.

Jornal Midiamax