Cotidiano

Mais de 11 mil indígenas devem ser vacinados na maior reserva de MS

Após a vacinação simbólica de Catalino Aquino, de 74 anos, morador na Aldeia Jaguapiru, no ato realizado nesta terça-feira em uma Unidade Básica de Saúde de Saúde, mais 11.600 indígenas que vivem na Reserva Federal de Dourados começam a ser vacinados a partir desta quarta-feira (20). As doses que serão aplicadas nos moradores das principais […]

Marcos Morandi Publicado em 20/01/2021, às 09h40 - Atualizado às 11h53

Alda Oliveira, uma das rezadoras da Aldeia Jaguapiru. (Foto: Marcos Morandi | Midiamax)
Alda Oliveira, uma das rezadoras da Aldeia Jaguapiru. (Foto: Marcos Morandi | Midiamax) - Alda Oliveira, uma das rezadoras da Aldeia Jaguapiru. (Foto: Marcos Morandi | Midiamax)

Após a vacinação simbólica de Catalino Aquino, de 74 anos, morador na Aldeia Jaguapiru, no ato realizado nesta terça-feira em uma Unidade Básica de Saúde de Saúde, mais 11.600 indígenas que vivem na Reserva Federal de Dourados começam a ser vacinados a partir desta quarta-feira (20).

As doses que serão aplicadas nos moradores das principais aldeias e retomadas da cidade pelo Dsei (Distrito Sanitário Especial Indígena) fazem parte do primeiro lote de 29.788 doses entregues no município na manhã de terça-feira (19).

Para dar atendimento ao público considerado prioritário, o Dsei preparou um Plano de Operacionalização da Vacinação da Covid-19 estratégias para imunizar rapidamente os grupos prioritários e população alvo para a vacinação, conforme o recebimento dos insumos.

“Realizar triagem rápida, preferencialmente no momento de identificação/cadastro do usuário, para identificar pessoas com sinais e sintomas de doença respiratória e síndrome gripais, as quais não deverão ser vacinadas. As mesmas devem ser redirecionadas para o atendimento em saúde”, diz um trecho do documento elaborado pelo Dsei.

O plano elaborado para a imunização da população indígena, também recomenda a disponibilização de locais higienização das mãos ou ofertar dispenser com álcool em gel na concentração de 70%, para facilitar a higienização das mãos dos profissionais e da pessoas a serem vacinadas.

“Considerando o cenário de recebimento completo das doses previstas para o grupo prioritário: indígenas a partir de 18 anos, a equipe de saúde local poderá adotar diferentes estratégias de vacinação em prol da cobertura vacinal, com prioridade aos trabalhadores de saúde”, orienta o documento que recomenda a organização da vacinação em quatro grupos diferentes.

Mais de 11 mil indígenas devem ser vacinados na maior reserva de MS
Catali Aquino, de 74 anos, foi o primeiro indígena de Dourados a receber a vacina.(Foto: Marcos Morandi)
Jornal Midiamax