Cotidiano

LISTA: Confira quantas doses das vacinas contra Covid-19 vão para cada cidade de MS

Na tarde desta quinta-feira (25), a SES divulgou a quantidade de doses das vacinas Astrazeneca e Coronavac que devem ir para cada município.

Dândara Genelhú Publicado em 25/02/2021, às 17h44 - Atualizado em 26/02/2021, às 08h48

Lote chegará ainda hoje em MS. Foto: Leonardo de França | Midiamax.
Lote chegará ainda hoje em MS. Foto: Leonardo de França | Midiamax. - Lote chegará ainda hoje em MS. Foto: Leonardo de França | Midiamax.

O quinto lote de vacinas contra a Covid-19, com 35,7 mil doses, chegou ao Mato Grosso do Sul na última quarta-feira (24). Na tarde desta quinta-feira (25), o Governo do Estado divulgou a quantidade de doses das vacinas Astrazeneca e Coronavac que devem ir para cada município.

Em publicação do DOE (Diário Oficial do Estado), em edição extra, a SES (Secretaria de Estado de Saúde) informou quantas unidades devem ser enviadas para as cidades de MS. A distribuição deve ser iniciada na manhã de sexta-feira (26).

A demora ocorre devido aos agentes das forças de segurança, que auxiliam nas entregas, estarem envolvidos na aplicação do Enem prisional. “Amanhã cedo nós entregaremos [as doses] a todos os municípios e pedimos que eles façam programação com mutirões no sábado e domingo“, declarou o secretário de saúde de MS, Geraldo Resende.

São 13.200 doses da Coronavac, que segundo a SES, 92% deverá ser utilizado para imunização de idosos com 80 anos ou mais e 8% em trabalhadores da Saúde, de preferência os idosos. Outras 22.500 doses são da Astrazeneca, sendo que 100% delas devem ser usadas para dar continuidade na vacinação de idosos a partir de 80 anos.

Das doses da Astrazeneca, a Secretaria informou que idosos acamados devem ser imunizados com prioridade. As doses remanescentes ficam a critério das gestões municipais a iniciação da vacinação de idosos entre 75 e 79 anos.

Por fim, os municípios de MS poderão contar com o remanejamento de 13.848 doses da Coronavac. Os imunizantes foram enviados para as aldeias e após indígenas que vivem em aldeias se negarem a serem vacinados, passarão para os municípios. As gestões devem utilizar as doses para dar continuidade na vacinação dos grupos prioritários.

Jornal Midiamax