Cotidiano

Na ativa há menos de 1 mês, Castramóvel divide opiniões em ONGs de animais em Campo Grande

Tanto cães quanto gatos podem ser castrados gratuitamente na Capital

Fábio Oruê Publicado em 18/05/2021, às 15h13

Castramóvel começou os atendimentos em Campo Grande no mês passado
Castramóvel começou os atendimentos em Campo Grande no mês passado - Foto: Divulgação

Primeiro castramóvel em Campo Grande, o serviço de castração implantado pela prefeitura da Capital no fim de abril para controlar a superpopulação de animais no município ainda está dividindo opiniões de representantes de ONGs (Organizações Não Governamentais) voltadas para animais. 

Para a presidente da ONG Cão Feliz, a inicativa é bem vinda e vai ajudar a controlar a superpopulação de cães e gatos e diminuir o abandonos dos pets, algo que a instituição luta contra. 

"Com certeza será ótimo para todas as ONGs e protetores", disse ela ao Jornal Midiamax. Um animal não castrado vai gerar filhotes, que muitas vezes são abandonados nas ruas a própria sorte e se não morrem, vivem vangado pela cidade atrás de alimento. 

A princípio o castramóvel está atendendo somente cães, já que os gatos podem ser operados no CCZ (Centro de Controle de Zoonoses). Após o cadastro do cachorro, uma seleção é feita e, no dia da ação, a equipe do CCZ vai até o imóvel para realizar exames clínicos e dar orientações quanto à educação em saúde, reforçando os deveres e responsabilidades do tutor.

Após a preparação para a cirurgia, o animal é levado pela equipe até o castramóvel, que estará na unidade de saúde da região, de onde o proprietário poderá buscá-lo após três horas. A estimativa é que sejam atendidos 20 animais por fim de semana. 

Para a presidente do Abrigo dos Bichos, Maria Lúcia, o número baixo de cirurgias de nada adianta para superpopulação de animais e abandono. " [...] 3 mil animais por mês. Menos que isso não impacta em nada", opinou ela à reportagem. 

"Castramóvel não é solução, faz parte de um programa de combate à superpopulação de animais numa cidade, mas por si só, de nada vale",  continou ela. Segundo ela, citando como exemplo Maringá (RJ), que tem castrado 237 animais por dia, resolveria o problema. 

Jornal Midiamax