Cotidiano

Fiscalização aborda 30 pescadores em lago de usina hidrelétrica no Rio Paraná

PMA também percorreu os Rios Anhanduí e Pardo, no leste do Estado, para retirada de petrechos de pesca ilegais.

Humberto Marques Publicado em 14/02/2021, às 11h11

Fiscalização retirou 100 metros de redes dos rios. (Foto: Divulgação)
Fiscalização retirou 100 metros de redes dos rios. (Foto: Divulgação) - Fiscalização retirou 100 metros de redes dos rios. (Foto: Divulgação)

Fiscalização da PMA (Polícia Militar Ambiental) atingiu, desde a madrugada de sábado (13), 31 pescadores e 13 embarcações no lago da Usina Hidrelétrica Sérgio Motta (Porto Primavera), a partir de Bataguassu, visando a verificar se as regras de pesca liberadas para aquela região estão sendo atendidas. O trabalho da corporação também chegou aos Rios Pardo e Anhanduí, nos municípios de Anaurilândia, Nova Andradina, Santa Rita do Pardo, Nova Alvorada do Sul e Bataguassu.

No lado de Porto Primavera, é autorizada a pesca de espécies exóticas –que não integram a fauna aquática local e representam um perigo para o ecossistema local. Ainda assim, há limite de cota de 10 kg de pescado mais um exemplar para o pescador amador.

Os pescadores são alertados de que ainda é período de piracema e, por isso, é proibida a pesca e abate de peixes nativos. Os praticantes abordados atuavam legalmente.

Contudo, a fiscalização encontrou, nos rios e no lago, 15 anzóis de galho e uma rede de pesca com 100 metros, sendo soltos 5 kg de peixes vivos que estavam presos aos petrechos ilegais, que estão entre as maiores preocupações da PMA. Isso porque, além de um alto poder de captura indiscriminada –retendo praticamente todas as espécies de peixes– e depredação dos cardumes, costumam ser deixadas pelos pescadores, dificultando sua captura. Tais itens, quando encontrados, são retirados dos rios pelos policiais.

Jornal Midiamax