Cotidiano

Escolas particulares voltam às aulas com ensino híbrido em Campo Grande

O ano de janeiro está chegando ao fim e a volta às aulas está próxima nas escolas particulares de Campo Grande. Alguns colégios já retomam as aulas na última semana de janeiro e o ensino será híbrido, ou seja, uma ‘mistura’ do ensino presencial e online. Conforme determinado pelo MPMS (Ministério Público de Mato Grosso […]

Mylena Rocha Publicado em 21/01/2021, às 07h20 - Atualizado às 16h20

(Foto: Leonardo de França)
(Foto: Leonardo de França) - (Foto: Leonardo de França)

O ano de janeiro está chegando ao fim e a volta às aulas está próxima nas escolas particulares de Campo Grande. Alguns colégios já retomam as aulas na última semana de janeiro e o ensino será híbrido, ou seja, uma ‘mistura’ do ensino presencial e online. Conforme determinado pelo MPMS (Ministério Público de Mato Grosso do Sul), o limite da capacidade nas salas de aula será de 50% para ensino infantil e 30% para nível fundamental e médio. 

A presidente do Sinepe-MS (Sindicato dos Estabelecimentos de Ensino de Mato Grosso do Sul), Maria da Glória Paim Barcellos, explica que não há um consenso e que cada instituição define se o ensino será híbrido ou remoto. “O que nós recomendamos é que cumpram o decreto, que permanece vigente, assim como o plano de biossegurança”, afirma. 

Barcellos ainda afirma que não há uma determinação sobre quando as escolas devem retornar às aulas. “Algumas já voltam no fim de janeiro, outras em fevereiro ou até no início de março”.

A maioria das escolas contatadas pela reportagem terá ensino híbrido em 2021. Os alunos do Colégio Adventista, por exemplo, já retornam às aulas no fim de janeiro. Segundo o colégio, as aulas serão retomadas no dia 27 de janeiro, com ensino híbrido. O colégio irá respeitar as normas de biossegurança, com 30% de capacidade nas salas de aula. 

No Colégio Raul Sans de Matos, da Funlec (Fundação Lowtons de Educação e Cultura), as aulas serão retomadas no dia 1º de fevereiro, com ensino híbrido e salas de aula com capacidade de 30% para fundamental e médio e 50% para ensino infantil. “Os pais que forem autorizar os filhos a retornarem às aulas, devem assinar um termo de concordância com as normas e entregar nas escolas. Os pais que ainda não se sentirem seguros, podem iniciar o ano de forma remota”, explicou o diretor da escola, Sizenando Rocha Sadakane.

Na Escola Harmonia, os alunos também terão um ‘mix’ de ensino presencial e online. “Manteremos as aulas remotas enquanto for determinado pelas autoridades públicas a quem a decisão compete. E será híbrido”, informou a escola. No caso da educação infantil e médio, as aulas retornam na próxima segunda-feira (25). Os alunos do fundamental voltam no dia 1º de fevereiro.

No Colégio Geração Resultados, as aulas também serão híbridas e os pais podem optar pela aula online caso ainda não se sintam seguros. A diretora Suzete Ferrazza explica que as aulas já voltam no dia 1º de fevereiro e que o primeiro bimestre contará com revisão do conteúdo passado durante a pandemia em 2020. “É importante essa revisão, para que nossos alunos não tenham prejuízo e possam seguir nos estudos com tranquilidade”, diz.

O Colégio Nota 10 retoma as aulas no dia 8 de fevereiro, também com ensino híbrido. “A equipe pedagógica do Nota 10 Rede de Ensino irá oferecer o ensino híbrido – presencial e online – de acordo com os protocolos e orientações das autoridades de saúde no tocante às capacidades máximas de permanência e de quantidade de alunos em salas de aula. Estamos prontos para oferecer aos nossos alunos a qualidade de sempre”.

Pais se sentem mais seguros

Depois de mais de 10 meses de pandemia, a vacina finalmente chegou em solo sul-mato-grossense. Mesmo que adultos e crianças estejam no fim da fila da imunização, a sensação é de mais segurança na pandemia. A presidente do Sinepe explica que com a campanha de vacinação começando, os pais se sentem mais confiantes, mas que é preciso imunizar não somente os professores, mas também o corpo administrativo e técnico. 

“Espero que tenham um olhar voltado para a educação. Até o momento não existe previsão de vacinar os alunos, mas os educadores nós esperamos que sejam vacinados”, disse.

Diretor do Colégio Raul Sans de Matos, Sizenando afirma que os pais estão mais confiantes em deixar os filhos na escola e que confiam no protocolo de biossegurança aplicado no colégio. 

“No ano passado, nós voltamos no presencial na Funlec, nessa modalidade de 30% e 50% da capacidade. Foi feito o plano de biossegurança, entrada com tapete e álcool em gel, álcool nos banheiros, treinamento para o administrativo e professores, live com os pais. Esse trabalho deu frutos e este ano vejo pais bem mais seguros em mandar filhos para escola. A procura pela aula presencial aumento neste ano. A vacina vai ser ponto definitivo para nós sairmos de vez desta crise”.

Jornal Midiamax