Cotidiano

Em um mês, mortes por covid crescem 74% e início de junho já é o 2º mais letal da pandemia

De 1º a 10 de junho foram 377 óbitos pela doença

Gabriel Maymone Publicado em 12/06/2021, às 10h14

MS vive o pior momento da pandemia da covid
MS vive o pior momento da pandemia da covid - Leonardo de França / Midiamax

Junho pode  se tornar o mês mais letal da pandemia do coronavírus em Mato Grosso do Sul. Nos 10 primeiros dias do mês, já foram registradas 377 mortes por covid, número 74% maior que o verificado em 10 de maio, quando a SES (Secretaria Estadual de Saúde) informava 216 óbitos.

Até o momento, o mês  mais mortal da pandemia em MS foi abril, que totalizou 1.393  vidas perdidas para o coronavírus. Para ter uma ideia da gravidade da situação, do dia 1º a 10 de abril, foram contabilizadas 399 mortes,  apenas 22 a mais que o registrado em junho até agora.

Além disso, outros dados do cenário atual da pandemia são preocupantes e indicam que há possibilidade de junho ser o pior mês. MS alcançou o pico da média móvel de casos e mortes, que mede a variação dos últimos 7 dias e serve como parâmetro para avaliar a evolução desses fatores.

Colapso na saúde

Pela primeira vez, o próprio governo admitiu que a saúde já está em colapso, com falta de leitos e pacientes internados de forma improvisada. MS chegou a ficar no início de junho com ocupação de leitos UTI para covid acima dos 100% em todas as regiões do Estado.

Também, nesse intervalo do dia 1º ao dia 10 de junho, MS bateu duas vezes o pico de pessoas internadas ao mesmo tempo com covid, chegando a 1.339 em um só dia.

Diante do cenário crítico, Mato Grosso do Sul precisou recorrer a outros estados para encaminhar pacientes em estado grave de covid para internação em UTIs. Até então, 25 já haviam sido transferidos.

Apesar dos esforços, a fila de pacientes à espera de uma vaga em UTI só cresce e atingiu 291 esta semana, colocando o estado com uma das maiores filas de espera do país, atrás apenas do Paraná e Minas Gerais e à frente até de São Paulo.

Medidas

Com o pior cenário possível, o governo do estado que estava relutando em adotar medidas mais rígidas para controlar o vírus cedeu e decretou que os municípios que foram classificados comrisco extremo para covid - que estão com bandeira cinza - devem permitir o funcionamento apenas de serviços considerados essenciais.

Para endurecer as medidas, o decreto elevou em um patamar o grau de cada município, ou seja, se a cidade estava classificada como bandeira vermelha, passou a ser cinza. Então, esses fechamentos no comércio e em prestadores de serviços vão atingir 43 municípios de MS.  As regras valem até o dia 24 de junho.

Jornal Midiamax