Cotidiano

Em favela onde 65% dos moradores são crianças, faltam agasalhos infantis para proteger do frio

Quem vive em barraco improvisou cobertas recebidas em doações para tampar frestas nas paredes

Gabriel Maymone e Dayene Paz Publicado em 29/06/2021, às 12h37

Na favela, barracos com frestas e buracos deixam noite fria ainda mais congelante
Na favela, barracos com frestas e buracos deixam noite fria ainda mais congelante - Henrique Arakaki / Midiamax

O dia mais frio do ano em Mato Grosso do Sul foi 'congelante' para os moradores da favela do Mandela, na região norte de Campo Grande. Dentre os 370 moradores, 240 são crianças, ou 65% do total. Diante da vulnerabilidade social do local, qualquer tipo de doação é bem-vinda, porém, os pedidos mais frequentes por lá são os agasalhos infantis.

É o caso da dona de casa Sandra Micaeli dos Reis, de 33 anos, que mora há 4 na comunidade. Com 5 filhos e grávida do 6º, a mulher conta que recebeu doações de cobertas, mas ainda faltam roupas de frio para os filhos, que têm 17, 13, 9, 6 e 3. "Foi congelante, a gente dormiu todos juntos", conta.

Como os moradores da favela receberam muitas doações de cobertas, elas foram usadas para tampar as frestas dos barracos para impedir a entrada do vento gelado. 


Sandra Mikaeli vive em barraco com 5 filhos e está grávida do 6º - Foto: Henrique Arakaki / Midiamax

No entanto, os moradores pedem que, se possível, sejam feitas doações de lonas, pois cobrem melhor as imperfeições das habitações e protegem melhor contra os ventos frios, intensificados pela proximidade com o córrego e por estar localizado em região de morro.

Quem também aproveitou as cobertas recebidas para outros fins foi Elen Pereira Paco, de 22 anos, que mora em um dos barracos com o esposo e uma filha de 3 anos. "Foi muito frio. Coloquei a coberta na parede para melhorar o vento", conta. Entretanto, a jovem relata que as cobertas recebidas agravam a situação de quem tem problemas respiratóris e, por isso, também prefere lonas.


Elen e a filha, de 3 anos - Foto: Henrique Arakaki / Midiamax

A representante da comunidade, Greicele, explica que no local vivem 180 famílias e que toda doação é bem vinda. O número dela é o 3300-5687. Quem quiser ajudar também pode entrar em contato com Sandra pelo 99333-7025.

Nesta madrugada, a temperatura chegou a 4ºC em Campo Grande, com sensação térmica de 0ºC. Esta terça-feira também terá noite com temperaturas muito baixas, segundo a previsão do tempo.

Jornal Midiamax