Cotidiano

Eletricitários fazem protesto contra Energisa e cogitam greve por reajuste salarial

Funcionários da Energisa – concessionária de energia que atende 74 municípios em Mato Grosso do Sul – realizaram protesto na manhã desta quinta-feira (28), em frente às subestações Almoxarifado, Cuiabá e também no centro operacional da empresa. A categoria reivindica nova proposta de reajuste e cogita entrar em greve, caso não sejam atendidos. Conforme o […]

Gabriel Maymone Publicado em 28/01/2021, às 12h41 - Atualizado às 14h40

Funcionários realizaram protesto em frente a unidades da Energisa. (Foto: Divulgação / Sinergia-MS)
Funcionários realizaram protesto em frente a unidades da Energisa. (Foto: Divulgação / Sinergia-MS) - Funcionários realizaram protesto em frente a unidades da Energisa. (Foto: Divulgação / Sinergia-MS)

Funcionários da Energisa – concessionária de energia que atende 74 municípios em Mato Grosso do Sul – realizaram protesto na manhã desta quinta-feira (28), em frente às subestações Almoxarifado, Cuiabá e também no centro operacional da empresa. A categoria reivindica nova proposta de reajuste e cogita entrar em greve, caso não sejam atendidos.

Conforme o Sinergia-MS (Sindicato dos Trabalhadores na Indústria e Comércio de Energia no Estado de Mato Grosso do Sul), a empresa ofereceu duas propostas aos funcionários, mas ambas foram recusadas. A última foi recusada no dia 19 de janeiro e, desde então, a Energisa não procurou mais o sindicato para avançar nas negociações.

A primeira proposta previa a reposição da inflação parcelada em duas vezes, sem efeitos retroativos. A segunda previa alteração na compensação do banco de horas e reposição da inflação em parcela única.

“A empresa insiste em manter o que os trabalhadores já recusaram. Não aceitaremos alteração no banco de horas, já concordamos em discutir isso no próximo acordo, e agora queremos uma nova proposta”, afirma o presidente do Sinergia/MS, Elvio Vargas.

Também foram realizadas ações nas cidades do interior. “A categoria está revoltada, está insatisfeita com a postura da empresa, e está mobilizada com o sindicato”, afirma Elvio Vargas.

Então, de acordo com os trabalhadores, nos primeiros nove meses de 2020, a concessionária registrou lucro de R$ 245,1 milhões, o que representa aumento de 5,8% em relação ao mesmo período de 2019. “Mesmo assim, a empresa não aceita a reivindicação da categoria de ganho real e ainda quer alterar direitos já garantidos pelos eletricitários”.

Em nota, a Energisa informou que as negociações para o Acordo Coletivo de Trabalho com o Sindicato acontecem anualmente e as reuniões referentes ao ACT 2020/2021 estão ocorrendo, seguindo uma agenda previamente marcada com os representantes sindicais.

“Reforçamos que, mesmo com a crise mundial causada pela pandemia da Covid-19, a Energisa MS não está poupando esforços para encontrar o equilíbrio necessário e chegar a um consenso para o Acordo Coletivo de Trabalho deste ano. A empresa reitera sua disposição na preservação do quadro de colaboradores, equilíbrio de investimentos e garantia do fornecimento dos serviços aos consumidores”, finaliza.

*Material atualizado com acréscimo de informações às 14h38.

Jornal Midiamax