Cotidiano

Durante pesquisa do Procon, gasolina é encontrada por até R$ 6,39 em Dourados

Levantamento também foi realizado com etanol e diesel

Ranziel Oliveira Publicado em 24/09/2021, às 14h53

Chegada do combustível, ilustrativa.
Chegada do combustível, ilustrativa. - (Foto: Leonardo de França / Jornal Midiamax)

A variação do preço da gasolina em Dourados alcançou 6,72% entre o maior e o menor preço. No etanol, a diferença é ainda maior, de 13,23%. Foram pesquisados etanol, diesel comum e S10 e gasolina comum e aditivada. A pesquisa foi realizada pelo Procon Municipal em 40 estabelecimentos, nesta quarta-feira (22).

O levantamento aponta que na gasolina comum o menor preço encontrado foi de R$ 5,94 e o maior preço, R$ 6,399, com variação de 6,72%. No etanol, o menor preço foi R$ 4,68 e o maior R$ 5,299, com variação de 13,23%. E o diesel comum, menor é R$ 4,50 e o maior R$ 5,099, variação de 13,32% e no Diesel S10, o menor é R$ 4,45 e o maior R$ 5,099, variação de 12,32%.

De acordo com o diretor do Procon, Antônio Marco Marques, na comparação com o levantamento produzido em julho, foi registrado um aumento de 5,75% no preço médio praticado em Dourados.

“Atualmente, entre os estabelecimentos pesquisados o preço médio da gasolina é de R$ 6,072. Em julho, essa média girava em torno de R$ 5,966, se comparado, houve um aumento de 5,75%. Já no etanol, houve uma alteração de 3,87% entre as pesquisas. Hoje, o preço médio do Etanol em Dourados é de R$ 4,887, sendo que em julho era de R$ 4,705”, pontuou.

Já em relação ao Diesel comum, em julho, o preço médio era de R$ 4,658, e nesta pesquisa apontou como preço médio o valor de R$ 4,742, alta de 1,81%. O Diesel S10 apresentou nesta pesquisa o valor médio de R$ 4,813 e na pesquisa do mês de julho apresentou preço médio de R$ 4,729, mostrando uma alta de 1,8%.

O Procon informa que os consumidores poderão exigir a análise do combustível para descobrir o teor de álcool presente na gasolina, teste esse que será feito pelo próprio funcionário do posto de combustível na frente do consumidor.

Jornal Midiamax