Cotidiano

Dois anos após sorteio, moradores recebem as chaves do Residencial Sírio Libanês

256 apartamentos foram sorteados em 2019 e chaves entregues nesta sexta-feira

Renata Volpe e Mayara Bueno Publicado em 24/09/2021, às 12h12

Ministro Rogério Marinho entrega chaves para família contemplada em sorteio
Ministro Rogério Marinho entrega chaves para família contemplada em sorteio - Marcos Ermínio, Jornal Midiamax

Dois anos após o sorteio das chaves do Residencial Sírio Libanês, no bairro Santo Amaro, em Campo Grande, os futuros moradores receberam as chaves nesta sexta-feira (24), em evento com a participação do ministro do Desenvolvimento Regional, Rogério Marinho.

Foram entregues 256 apartamentos e o empreendimento recebeu R$ 20,5 milhões de investimento federal. Mil pessoas devem ser beneficiadas. Segundo a Agência Municipal de Habitação, a obra começou em 2019 e o prazo para entrega foi dentro da previsão inicial.

O sorteio das famílias foi feito em agosto de 2019 durante o Feirão Habita. No local, foram construídos três blocos de apartamentos. São 25 blocos de três andares, com quatro unidades por pavimento. Os apartamentos têm dois quartos, um banheiro, cozinha e uma sala, com 47 m².

O empreendimento recebeu R$ 20,48 milhões por meio do Fundo de Arrendamento Residencial. Deste total, R$ 12,97 milhões estão sendo repassados desde 2019, o que corresponde a 63,32% do total. A contrapartida estadual foi de R$ 4,24 milhões e a Prefeitura de Campo Grande doou o terreno para construção dos apartamentos.

No entorno, há três escolas, duas creches e dois postos de saúde. O empreendimento tem infraestrutura completa com água, esgoto, pavimentação, drenagem e iluminação pública. 

Segundo o prefeito Marquinhos Trad (PSD), uma lei aprovada na gestão passada, prevê critérios para sorteio de casas populares. “Não existem indicações políticas para receber casa, é por meio de sorteio público”.

Conforme o ministro, o empreendimento foi construído em parceria entre governo estadual, prefeitura e o Governo Federal. “O Governo Federal não teve a vaidade de só lançar obras novas e sim concluir as que já tinham sido iniciadas”.

Jornal Midiamax