Cotidiano

Contra ‘fecha tudo’, amigos montam acampamento em frente à Prefeitura de Campo Grande

Inconformado com a semana ‘fecha tudo’ em Campo Grande, o autônomo Roberto Magalhães montou uma barraca para protestar contra a medida em frente à prefeitura, na Avenida Afonso Pena. Ele garante que um grupo de amigos esteve com ele durante à noite, mas precisou se ausentar nesta manhã e somente ele continuou na manifestação. Com […]

Gabriel Maymone Publicado em 22/03/2021, às 08h18 - Atualizado às 12h41

Bandeira do Brasil e placas contra o Lockdown chamam atenção na Afonso Pena na manhã desta segunda-feira (22). (Foto: Marcos Ermínio, Midiamax)
Bandeira do Brasil e placas contra o Lockdown chamam atenção na Afonso Pena na manhã desta segunda-feira (22). (Foto: Marcos Ermínio, Midiamax) - Bandeira do Brasil e placas contra o Lockdown chamam atenção na Afonso Pena na manhã desta segunda-feira (22). (Foto: Marcos Ermínio, Midiamax)

Inconformado com a semana ‘fecha tudo’ em Campo Grande, o autônomo Roberto Magalhães montou uma barraca para protestar contra a medida em frente à prefeitura, na Avenida Afonso Pena. Ele garante que um grupo de amigos esteve com ele durante à noite, mas precisou se ausentar nesta manhã e somente ele continuou na manifestação.

Com placas escrito frases como ‘Lockdown não” e “o efeito colateral do vírus é maior que o próprio vírus”, Magalhães conta que o manifesto foi organizado entre amigos. “É um grupo de amigos que é contra essa medida, não é nada organizado para algo grande”, declarou.

Ao som de algumas buzinadas que recebe de motoristas que o apoiam, o profissional relata que a medida pode desencadear um ciclo negativo na economia. “Tenho amigos comerciantes, muita gente vai acabar quebrando, pois precisam da venda do dia a dia. Se o comerciante quebra, eu perco cliente e vira um ciclo”, afirma.

contra Lockdown
Autônomo Roberto Magalhães em protesto contra o Lockdown. (Foto: Marcos Ermínio, Midiamax)

Questionado se não acredita que a medida pode ajudar a frear o avanço do coronavírus, Magalhães declara que o problema não está no comércio. “Lockdown nunca deu certo em lugar nenhum do mundo. Acabei de ver um ônibus passando lotado aqui. No comércio, o cliente passa álcool, mantém distanciamento”, argumenta.

O protesto é mantido por ele e mais dois amigos, que passaram a noite com ele no acampamento, mas tiveram que se ausentar nesta manhã. Para ajudá-lo a manter o protesto, recebe ajuda de quem passa. “Ontem à noite veio um entregador com 3 lanches aqui. Alguém viu e pediu lanches para comermos”, comenta.

Semana ‘fecha tudo’

Entra em vigor nesta segunda-feira (22) o decreto municipal que antecipa feriados para evitar a circulação de pessoas em Campo Grande, que já vive colapso na saúde devido ao coronavírus. Na prática, o decreto funciona como um ‘fecha tudo’, mas alguns serviços foram autorizados a funcionar, como restaurantes e igrejas.

Conforme o decreto, a restrição de funcionamento do comércio fica em vigor desta segunda-feira (22) até o domingo (28). Podem funcionar somente as atividades listadas no documento, se respeitadas as regras de biossegurança, o limite máximo de lotação de 40% da capacidade total permitida e ainda o toque de recolher.

Para isso, quatro feriados municipais foram antecipados para segunda-feira (22), terça-feira (23), quarta-feira (24) e quinta-feira (25). Os feriados são do dia de Santo Antônio (13 de junho) e Aniversário de Campo Grande (26 de agosto) de 2021 e de 2022,  Na sexta-feira (26), o Governo do Estado deve antecipar o Dia da Criação de Mato Grosso do Sul.

Jornal Midiamax