Cotidiano

Com UTIs lotadas, Guanandizão será polo de vacinação contra a covid a partir de quarta

O prefeito de Campo Grande, Marquinhos Trad (PSD) anunciou nesta segunda-feira (22) que o Ginásio Guanandizão será mais um ponto de vacinação para os grupos prioritários em mutirão de imunização durante a semana “fecha tudo”, em Campo Grande. Segundo o prefeito,  a previsão de início do uso da estrutura é às 7h30 da próxima quarta-feira […]

Guilherme Cavalcante Publicado em 22/03/2021, às 10h06 - Atualizado às 15h17

Ginásio Guanandizão | Foto: Henrique Arakaki | Midiamax
Ginásio Guanandizão | Foto: Henrique Arakaki | Midiamax - Ginásio Guanandizão | Foto: Henrique Arakaki | Midiamax

O prefeito de Campo Grande, Marquinhos Trad (PSD) anunciou nesta segunda-feira (22) que o Ginásio Guanandizão será mais um ponto de vacinação para os grupos prioritários em mutirão de imunização durante a semana “fecha tudo”, em Campo Grande.

Segundo o prefeito,  a previsão de início do uso da estrutura é às 7h30 da próxima quarta-feira (24) – o local suporta até 3 mil pessoas sentadas e, por isso, será utilizado para desafogar o público de unidades de saúde que eventualmente estiverem lotadas.

Diferentemente do Parque Airton Senna, onde funciona o drive-thru de vacinação para quem vai de carro, o Guanandizão não terá fluxo de veículos em seu interior – pacientes deverão desembarcar e entrar a pé, no dia previsto de vacinação da respectiva faixa etária, para receber a imunização.

Esta foi uma das novidades anunciadas em transmissão ao vivo na manhã desta segunda-feira (22), no Facebook. O prefeito também reforçou que o funcionamento dos postos de saúde da cidade durante a semana “fecha tudo” é voltada para mutirão de vacinação contra covid, para faixas etárias de 73 a 67 anos – cada idade tem um dia especial de atendimento. Clique AQUI para conferir a programação.

Apelo ao “fique em casa”

Com UTIs lotadas, Guanandizão será polo de vacinação contra a covid a partir de quarta
Marquinhos durante a live no Facebook | Foto: Reprodução | Facebook

A transmissão ao vivo ocorreu no primeiro dia da semana “fecha tudo” em Campo Grande,  até o próximo domingo (28), na qual somente serviços essenciais podem funcionar, com toque de recolher das 20h às 5h do dia seguinte. Marquinhos justificou a estratégia com base no planejamento técnico e científico adotado e com a superlotação dos leitos de UTI (Unidades de Terapia Intensiva) na cidade.

“Chegamos a um número preocupante de ocupação de leitos. Campo Grande hoje possui 317 leitos de UTI, dos quais, 314 estão ocupados. O número que aproxima-se a 100% e quando esse número chega bem próximo do limite, faz-se tomada de decisões, que são amargas, todavia, necessárias (…). Por favor, campo-grandense, ajude esse grupo técnico, porque pode chegar o momento de você precisar de um leito e nós não termos mais”, declarou Marquinhos.

O prefeito também destacou que houve um incremento no número desses leitos, que antes da pandemia somavam 116, mas que foram ampliados para  317. “Não há mais espaços para aumentar essa estrutura e, ainda se houvesse, não há mais estrutura humana”, disse Marquinhos, sobre a falta de intensivistas. “Também começam a faltar insumos de sedação, no planeta. Está em contagem regressiva para aqueles que estão no leito ou indo para uma UTI”, alertou.

Mutirão

O início da vacinação de pessoas com 67 anos também foi tratado como algo inédito em capitais, visto que na maior parte delas ainda vacina-se pessoas com mais de 70 anos. No fim de semana, a Capital recebeu cerca de 32 mil doses de vacinas, que devem ser destinadas para aproximadamente 29 mil pessoas do público-alvo. Deste total, 230 doses serão aplicadas em comunidades quilombolas do município. Ao todo, 86.104 pessoas já receberam a primeira dose em Campo Grande. A expectativa é vacinar cerca de 4 mil pessoas por dia ao longo da semana.

A Prefeitura também destacou que foi aberto cadastramento, pela internet, para que as doses que eventualmente sobrem. O paciente precisa fazer o cadastro de forma que funcionários dos postos possam entrar em contato por telefone caso haja sobra de vacinas.

“Chamamos isso de Vacina emergencial. Fizemos isso para que as vacinas que fossem consideradas perdas fossem aproveitadas. Já vacinamos mais de mil pessoas com as sobras, 99% delas, acima de 60 anos. Mas, qualquer pessoa acima de 18 anos pode se cadastrar”, destacou o titular da Sesau, José Mauro Filho.

Confira a live completa abaixo:

https://www.facebook.com/437224626346145/videos/176122637657299

Jornal Midiamax