Com preços competitivos, atacarejos aproveitam 'boom' da pandemia e expandem atuação em MS

Crise levou consumidores domésticos e pequenos negócios a procurar alternativas de compras
| 21/09/2021
- 18:30
Inauguração do Assaí na Avenida Duque de Caxias
Inauguração do Assaí na Avenida Duque de Caxias, no ano passado - Divulgação

O aumento expressivo no preço de itens de alimentação e higiene fez consumidores procurarem alternativas para suprir as necessidades básicas gastando menos. Entre as opções estão os 'atacarejos', que mesclam as vendas no varejo e atacado e ganharam destaque por conta dos preços competitivos.

O segmento já apresentava forte tendência de crescimento, mas foi com o 'boom' da pandemia que esses estabelecimentos se fortaleceram em .

Planos de expansão

O cenário é tão positivo que o Fort Atacadista, do Grupo Pereira, está com projeto de expansão ousado em Campo Grande, com previsão de abertura de 3 unidades. Uma delas, no Bairro União, já está com as obras em fase avançada. Além disso, estão previstas unidades no Villas Boas e na Cafezais.

O diretor de Marketing e Canais Digitais do grupo, Lucas Pereira, comenta sobre os planos da empresa para Campo Grande. "Campo Grande é uma cidade próspera e pujante, que tão bem nos acolheu quando aqui chegamos, em 1984. Tanto que aqui decidimos instalar nossa sede e ampliamos nossos negócios. Hoje, o Grupo Pereira é uma força multicanal e multirregional, com mais de 15 mil colaboradores, sendo 4 mil em Campo Grande. Já são 20 unidades de negócio do Grupo na cidade e estamos animados em oferecer novos empreendimentos para os campo-grandenses".

fort atacadista div cO2Mj8T
Nova unidade do Fort Atacadista será inaugurada em breve na entrada do Conjunto União - Foto: Divulgação

As três lojas Fort Atacadista previstas para serem inauguradas em Campo Grande devem somar investimentos de R$ 120 milhões e geração de 900 empregos diretos e indiretos.

Para mostrar a força do 'atacarejo', o grupo Assaí inaugurou sua 4ª unidade em MS em pleno 2020 — na em Campo Grande — e avalia expandir os negócios na região. "Fomos muito bem recebidos pela população sul-mato-grossense, o que se reflete em nossas lojas sempre com uma boa visitação de clientes. Por isso, temos continuamente estudado novas possibilidades de expansão na região, assim como em todo o país", avalia o gerente regional do Assaí em MS, Paulo Fidelis.

O plano de expansão da rede prevê a abertura de 28 novas lojas somente em 2021, e conta, também, com a previsão de contratação de 10 mil novos colaboradores ainda este ano. Além disso, são mais 25 lojas previstas para serem abertas por ano até 2023. 

A rede atacadista mais antiga em MS, o Atacadão, tem plano robusto de expansão no país, com abertura de 20 unidades ao ano. Apesar do forte crescimento, a marca não revela se há novas unidades previstas para MS. "O estado do Mato Grosso do Sul é uma região muito importante e estratégica para nós, onde estamos presentes desde 1967, contribuindo para o desenvolvimento da economia local e geração de empregos", informou a assessoria de imprensa.

atacadao duque ldf
Loja da Duque de Caxias do Atacadão foi reinaugurada 6 meses após ser destruída por incêndio - Foto: de França / Midiamax

Em setembro de 2020, a unidade do Atacadão da Avenida Duque de Caxias foi destruída por incêndio. A empresa acelerou a reconstrução da estrutura e reinaugurou a loja seis meses depois, em março de 2021.

O Atacadão conta com 5 lojas de autosserviço e 1 atacado de entrega, presente nos municípios de Campo Grande, Dourados e Três Lagoas.

Receita do crescimento

Dados indicam que comprar em atacarejo faz parte da realidade de 63% dos brasileiros. A proposta ganha força com o aumento de consumidores que compram para casa, procurando por preços mais baixos, principalmente diante da crise econômica agravada pela pandemia da covid.

Além disso, o desemprego impulsionou o aumento de negócios informais como confeiteiros, espetinhos, lanches e outros. Esse novo público crescente é o principal dos atacarejos, que oferecem a possibilidade de descontos na compra de determinada quantidade de cada item.

Na avaliação da Amas (Associação Sul-mato-grossense de Supermercados), a transformação do varejo alimentar tem ocorrido em todo o Brasil. "A Amas entende que há espaço para essa modalidade continuar a crescer aqui no Estado, pois o consumidor, especialmente nesse momento de pandemia, de crise econômica, tem buscado alternativas para pagar menos por suas compras, e o atacarejo, por seu custo operacional mais baixo, consegue entregar os produtos num preço final mais competitivo para os consumidores".

Veja também

Professores da UFMS (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul) decidiram por greve após assembleia...

Últimas notícias