Cotidiano

Apertou? Com 65,7% das famílias campo-grandenses endividadas, confira dicas para sair do vermelho

SCPC registrou um salto de 4 mil inadimplentes no mês de março, para cerca de 10 mil em abril

Ranziel Oliveira Publicado em 12/05/2021, às 15h45

Por conta da pandemia, muitos moradores do Estado não conseguiram manter as contas em dia
Por conta da pandemia, muitos moradores do Estado não conseguiram manter as contas em dia - (Foto: Leonardo de França / Jornal Midiamax)

Uma pesquisa da CNC (Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo), de abril deste ano, revelou que 65,7% das famílias estão endividadas em Campo Grande. Os indicadores da ACICG (Associação Comercial e Industrial de Campo Grande) apontam um fenômeno semelhante , que através do SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito), registrou um salto de 4 mil inadimplentes no mês de março, para cerca de 10 mil em abril. Devido aos efeitos econômicos da pandemia, diversos campo-grandenses passaram a fazer parte dessa base de dados.

Entre eles, a operadora de caixa Jucilene Artheman, de 40 anos, é uma das pessoas que ficaram presas na bola de neve do cartão de crédito, e que  infelizmente foram engolidas pelos ciclos de juros e divididas constantes. “Foi durante a pandemia por compras no cartão, na verdade foi um descuido, mas estou conseguindo pagar”, disse ela.

[Colocar ALT]
Guia de consulta ao SCPC (Foto: Leonardo de França / Jornal Midiamax)

Para agricultores da zona rural de Terenos, a crise econômica não só gerou problemas para compre e venda de insumos, mas para comprar itens básicos da mesa do brasileiro.  “As coisas aumentaram de mais, o arroz que era R$ 12,00, hoje está R$ 23,00. Moramos no sítio, o preço para vender os alimentos caiu e para comprar e plantar aumentou.  Aí ficamos endividados”, explicou  Vitor Maldonado, de 63 anos.

Abordado na frente da Associação Comercial, o homem veio com a sua esposa justamente para consultar a sua situação financeira. “Estamos vindo aqui para ver o SCPC”, finalizou ele.

Na vida agitada de Campo Grande, a gerente de loja Sheila Peixoto, de 38 anos, viu os sonhos e planejamentos da sua empresa serem engolidos pelo furação do coronavírus, e as contas crescentes. “Me endividei, tinha uma loja e tive que fechar. Voltei para o comércio para sobreviver”, explicou ela.

Como lidar com a crise e evitar o nome sujo?

Os dados apresentados pela associação, são colhidos através do banco de inadimplentes de cada empresa associada ao órgão. O número de inclusões saltou de 4 mil em março, para em torno de 10 mil em abril.

A coordenadora de contas da empresa, Stefaní Carmielo, trouxe orientações para lidar com as despesas e evitar o nome sujo nesse período de crise, para pessoas físicas e jurídicas:

  • Guardar dinheiro e gastar somente com o necessário
  • Evitar dívidas de longa prazo, como financiamento de móveis e imóveis
  • Não comprometer mais de 30% da sua renda fixa, pois isso aumenta a probabilidade de endividamento
  • Evitar cheque especial, cartão de crédito e parcelamentos
  • Evitar pagar as contas depois do vencimento, devido aos juros.

Como evitar golpes e renegociar dívidas ?

Entretanto, se já estiver endividado o órgão oferece consulta gratuita, para pessoas físicas, ao SCPC. Para a pessoa jurídica é cobrado um valor, e o  associada tem direto a outros benefícios. “Oferecemos o balcão de consultas para o SCPC. Em período de campanha, são feitas negociações entre empresas e clientes.  A próxima 'Campanha nome Limpo’ está programada para o mês de outubro com previsão de encerramento para o dia 20 de dezembro”, explicou Carmielo.

[Colocar ALT]
Stefaní Carmielo (Foto: Leonardo de França / Jornal Midiamax)

Outra recomendação, é manter a tranquilidade na hora de buscar a renegociação e sempre procurar o contato direto com o credor, para evitar golpes e transtornos. “Procure fazer negociações com órgãos credenciados. Antes de efetuar pagamentos, procurar a veracidade da informação (boleto). Recebeu uma carta (ou email) duvidoso, você pode vir presencialmente na associação", disse ela.

O serviço de proteção ao crédito funciona presencialmente das 08:00 às 18:00 e também pode ser feito por whatsapp, seguindo os protocolos da associação: (67) 99639-8188 e (67) 99860-7456

Jornal Midiamax