Cotidiano

Com medalha valendo R$ 160 mil, confira quanto os atletas de MS recebem pelas conquistas na Paralimpíada

Valores são confirmados pela Comitê Paralímpico Brasileiro

Dândara Genelhú Publicado em 05/09/2021, às 10h43

None
Foto: Reprodução.

Mato Grosso do Sul foi responsável por quatro dos 22 ouros conquistados pelo Brasil nas Paralimpíadas de Tóquio. Três atletas do Estado ficaram no topo do pódio e recebem valores pelas medalhas alcançadas.

Conforme tabela definida pelo CPB (Comitê Paralímpico Brasileiro), divulgada pelo UOL, os atletas serão recompensados segundo as premiações da competição. Então, medalhas de ouro rendem R$ 160 mil, prata R$ 64 mil e bronze vale R$ 32 mil.

Então, o corredor campo-grandense Yeltsin Jacques, de 30 anos, deve receber R$ 320 mil. O atleta de MS subiu ao pódio duas vezes, sendo que conquistou o primeiro ouro do Brasil nesta Paralimpíada e a 100ª medalha de ouro da história brasileira nas competições paralímpicas.

Com um ouro na canoagem de 200 metros da classe VL2, Fernando Rufino deve receber R$ 160 mil. Natural de Itaquiraí, ele conquistou a primeira medalha de ouro do Brasil na modalidade.

E por fim, Silvânia de Oliveira conquistou ouro no salto em distância na classe T11. Assim, a atleta de Três Lagoas se tornou bicampeã da modalidade e deve levar R$ 160 mil pela medalha.

Além dos atletas, auxiliares dos esportistas também recebem uma bonificação. Conforme a CPB, cada auxiliar ganha R$ 20% do valor pago por medalha conquistada pelo atleta que ele acompanhou.

Os valores são providos pela arrecadação das loterias federais, da mesma forma do COB (Comitê Olímpico Brasileiro). A Caixa Econômica Federal repassa 2% do valor arrecadado, que rendeu cerca de R$ 161 milhões para a CPB. Além de outros R$ 31,9 milhões de patrocinadores.

Jornal Midiamax