Cotidiano

Com indígena, idosa, médico e enfermeira, começa vacinação contra a Covid em MS

Ato simbólico com a imunização de 4 integrantes dos grupos prioritários iniciou imunização no Estado, que começa de fato nesta terça-feira.

Humberto Marques Publicado em 18/01/2021, às 19h05 - Atualizado em 19/01/2021, às 10h27

Domingas, 91 anos, foi a primeira sul-mato-grossense vacinada contra a Covid-19. (Foto: Leonardo de França)
Domingas, 91 anos, foi a primeira sul-mato-grossense vacinada contra a Covid-19. (Foto: Leonardo de França) - Domingas, 91 anos, foi a primeira sul-mato-grossense vacinada contra a Covid-19. (Foto: Leonardo de França)

Foi aberta com um ato simbólico na tarde desta segunda-feira (18), no Hospital Regional de Mato Grosso do Sul, em Campo Grande, o trabalho local da Campanha Nacional de Vacinação contra o Coronavírus. A imunização, que agora continuará com a distribuição de vacinas para os municípios a partir desta terça (19), envolverá 158.760 doses, com foco nos grupos prioritários.

Dos imunizantes, que incluem duas doses por paciente, 97 mil devem beneficiar 48,5 moradores de terras indígenas e 61.760 vão para os 30.880 demais integrantes de grupos prioritários –profissionais de Saúde, sendo a princípio os que atuaram diretamente com pacientes com Covid-19, e idosos e portadores de deficiência em instituições de longa permanência.

As doses foram recepcionadas na Base Aérea de Campo Grande pelo governador Reinaldo Azambuja (PSDB) e o secretário de Estado de Saúde, Geraldo Resende, de onde seguiram para a Rede de Frio da SES –onde ficará armazenada a baixas temperaturas enquanto é feito o rateio entre as cidades e a distribuição propriamente dita.

A vacinação simbólica começou com 4 pessoas: a indígena Domingas da Silva, de 91 anos, moradora da aldeia Tereré em Sidrolândia –a 71 km de Campo Grande–, a primeira sul-mato-grossense a ser imunizada; Maria Bezerra de Carvalho, que fará 83 anos na próxima segunda-feira e é moradora do Asilo São João Bosco; o médico Márcio Estevão Midom, 43, que sozinho tratou de mais de 100 pacientes com o novo coronavírus; e da auxiliar de enfermagem Sandra Maria de Lima, 40.

Domingas revelou, logo após ser vacinada, que se mostrou ansiosa para receber a CoronaVac. “Quando soube pela minha filha, que disse para virmos para eu ser vacinada, já disse, ‘vamos hoje então’. Se é para a nossa saúde, vamos. E estou aqui sentada, conversando agora”. A idosa deixou claro que, sua intenção é “saber da minha saúde, da minha família e de qualquer conhecido”.

“Essa vacina é muito importante, tanto para mim como para todo o meu povo do asilo, para a nossa vida”, afirmou Maria Bezerra, honrada com a possibilidade de estar entre os primeiros imunizados. “Isso vai ser importante não só no Estado, mas para o povo todo, até para quem vem de fora. Se chegar aqui e todos estiverem vacinados é uma grande coisa”, desejou ela. “A doença é no Brasil inteiro, não tem para onde correr”.

Auxiliar de Enfermagem pede que população atenda chamado para ser vacinada

Ato simbólico com a imunização de 4 integrantes dos grupos prioritários iniciou imunização no Estado, que começa de fato nesta terça-feira.
Silvia pediu à população que, ao ser chamada, tome a vacina. (Foto: Leonardo de França)

Sandra, por sua vez, vivenciou toda a pandemia dentro do HR, e se disse emocionada e agradecida por receber o imunizante. Ela ainda aproveitou para fazer um apelo à população.

“Sou imunizadora há muito tempo e falo para toda a população: não tenham medo. Se vacinem. Se chegou na sua hora na fila de prioridade, vá se vacinar. A vacina é nossa única esperança”.

Márcio, ao Jornal Midiamax, relatou a expectativa de que a vacinação ajude a “contornar toda a situação no enfrentamento dessa pandemia”. Ele ainda destacou que, desde o início da pandemia, conviveu com “muito sofrimento e angústia, colocando-me no lugar de pacientes e familiares por empatia para ajudar da melhor forma possível”.

Ato simbólico com a imunização de 4 integrantes dos grupos prioritários iniciou imunização no Estado, que começa de fato nesta terça-feira.
Márcio espera que gesto inspire outras pessoas a se imunizarem. (Foto: Leonardo de França)

Para o médico, a vacina é a “vitória da ciência”, capaz de ajudar a salvar vidas. A expectativa é de que ele, com o profissional de Saúde, inspire outras pessoas que estejam nos grupos prioritários a também se imunizarem. “Que essa vacina possa reduzir o número de internações e de pacientes graves”.

O quarteto representa, justamente, os grupos prioritários para a imunização. Após o ato, o Almoxarifado da SES dará encaminhamento à distribuição de vacinas, que serão entregues às quase 600 salas de vacinação do Estado por uma força-tarefa da Segurança Pública, envolvendo Corpo de Bombeiros e as Polícias Civil e Militar. A intenção é que os municípios iniciem a imunização da população já nesta terça-feira, a partir das 8h.

Prioridade para vacinação partiu do Ministério da Saúde, afirma secretário

A escolha do grupo dos imunizáveis neste momento, que sofreu alterações por parte do Ministério da Saúde, foi destacada por Geraldo durante discurso no ato. Segundo ele, a ordem foi para que se priorizassem idosos, mais suscetíveis às complicações, e os profissionais de Saúde que atuam em UTIs e prontos-socorros e que são referência no atendimento à Covid.

Ele ainda lembrou que Mato Grosso do Sul tem a segunda maior população indígena do país, sendo prioritária sua imunização por conta de sua vulnerabilidade –com isso, o Estado acabou recebendo um todo de vacinas próximo ao de outras unidades da federação mais populosas.

Emocionado, Geraldo afirmou ser este “um momento muito importante” para a Saúde. “Este ato simboliza claramente a vitória daqueles que acreditam na ciência, que acreditam que vale lutar pela vida, e no Sistema Único de Saúde, a quem peço uma salva de palmas”. “Viva a vida, viva a ciência, viva o SUS”, finalizou ele.

Governador cobra velocidade para liberação de novas vacinas contra a Covid-19

Ato simbólico com a imunização de 4 integrantes dos grupos prioritários iniciou imunização no Estado, que começa de fato nesta terça-feira.
Reinaldo pediu pressa a laboratórios. (Foto: Leonardo de França)

Já o governador Reinaldo Azambuja, em discurso, demonstrou “gratidão enorme” pelo trabalho de todos os envolvidos no enfrentamento à pandemia. Ele ainda defendeu a vacina como um “freio” para conter o número de contaminações, o que poderia levar o sistema a “atolar”, como ocorreu em Manaus (AM), que terá 10 leitos de UTI em Mato Grosso do Sul para enviar pacientes de sua sobrecarregada rede de Saúde.

Ele ainda destacou que a vacina chegou, “mas em número reduzido”, ao passo que o Estado ainda lida com um vírus de alta taxa de letalidade, e fez apelo para que a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) libere, logo, as 4,6 milhões de doses de CoronaVac produzidas pelo Butantan –a autorização emergencial envolvendo as 6 milhões de doses agora distribuídas alcançou apenas os imunizantes importados da China.

“O Butantan já produz 1 milhão de doses por dia. Precisamos do registro da Oxford, da russa [Sputinik-V], da Moderna, Pfizer e tantas outras quanto necessário for”. Segundo o governador, quanto maior a cobertura vacinal, menor a pressão por internações.

Depois, em entrevista coletiva, Reinaldo afirmou que seguirá as diretrizes do PNI (Plano Nacional de Imunização), reforçando que o trabalho, agora, deve ser de velocidade para que os laboratórios tenham autorizado o registro de suas vacinas, “para que rapidamente tenhamos mais doses disponíveis”.

Jornal Midiamax