Cotidiano

Com dois drones e multas de no mínimo R$ 980, cidade do MS intensifica fiscalização contra aglomerações

Em alguns casos, quem descumprir o isolamento pode até ser preso

Ranziel Oliveira Publicado em 31/05/2021, às 15h27

Medidas foram tomadas para conter o avanço da Covid-19
Medidas foram tomadas para conter o avanço da Covid-19 - (Foto: Divulgação / Prefeitura de Rio Brilhante)

Com objetivo de combater o avanço da Covid-19 a prefeitura de Rio Brilhante irá intensificar as fiscalizações. Entre as medidas está o aumento no efetivo, utilização de dois drones e multa de no mínimo R$ 980,00 para quem não cumprir o isolamento social. O anúncio foi feito nesta segunda-feira (31).

Dessa forma, Rio Brilhante adotou novas medidas para fiscalizar as aglomerações e monitorar os pacientes positivos. O prefeito, Lucas Foroni, ressaltou que é importante manter um equilíbrio entre os setores e que a gestão vai fazer o possível para manter o comércio aberto, mas que a população precisa colaborar.

Entre as ações, o prefeito disse que ainda não haverá mudanças no decreto municipal e reforçou o pedido para que as pessoas utilizem a máscara. As reuniões para debater as medidas estão sendo realizadas com a participação dos vereadores e da Vigilância Sanitária.

Quanto às medidas de fiscalização, a gestão municipal vai adotar pulseiras para monitorar os pacientes suspeitos e positivos. Elas serão distribuídas nos próximos dias.

Aglomerações entre 6 e 8 pessoas distintas não serão permitidas, as pessoas que não cumprirem com o isolamento social serão multadas no valor mínimo de R$ 980,00, em alguns casos, o indivíduo pode até ser preso.

Outra medida anunciada, foi o aumento no número do efetivo para fiscalização no município. A equipe da Funcerb auxiliará neste processo. Para ajudar no monitoramento das aglomerações, serão utilizados dois drones com objetivo de identificar as residências que não estão seguindo as medidas de biossegurança. A polícia também acompanhará as fiscalizações.

É importante que os comércios continuem disponibilizando álcool, as pessoas que apresentarem sintomas devem buscar atendimento.

Jornal Midiamax