Cotidiano

Com 1,3 mil casos diários de Covid, junho 'caminha' para ser o mês com mais infectados em MS

Se registrar menos que a média diária, junho passa maio e se torna o mês com mais infectados

Dândara Genelhú Publicado em 26/06/2021, às 16h49

Junho também pode ser o segundo mês com mais mortes por Covid-19 registradas em MS.
Junho também pode ser o segundo mês com mais mortes por Covid-19 registradas em MS. - Foto: Arquivo Midiamax.

Junho está prestes a se tornar o mês com mais infectados por coronavírus em Mato Grosso do Sul desde o início da pandemia. Falta menos que a média diária de casos, que é de 1.333, para o mês superar maio, que até este sábado (26) é o considerado com mais infecções do vírus.

Em 26 dias, junho acumulou 41.393 casos de Covid-19. Maio registrou 42.540 em 31 dias, ou seja, faltam 1.147 infectados para o mês atual alcançar o com mais casos confirmados. Sabendo que a média diária é de 1,3 mil casos e que o cenário da Covid-19 é crítico no Estado, junho se tornará o mês com mais infectados da pandemia no MS. A média foi divulgada na última sexta-feira (25), pela SES (Secretaria de Estado de Saúde).

Durante o anúncio dos dados, a secretária-adjunta da SES, Crhistinne Maymone, alertou que “a circulação viral ainda está grande em MS”. Apenas neste sábado (26), 1.582 casos novos foram confirmados. Mais que a média de infecções diárias. Se nos próximos quatro dias junho registrar a média diária, de 1.333 casos, seriam 5.332. Somados com os casos registrados até este sábado (26), o mês teria 46.725 infectados no total.

Esta é uma estimativa com base nos índices já publicados pela SES, que pode ou não se confirmar. Apesar disso, como já explicado na reportagem, o mês deve se tornar o com mais casos confirmados pela proximidade com o total do anterior e considerando que ainda faltam quatro dias para finalizarmos junho.

Além disso, este mês pode superar, em termos negativos, o anterior no total de mortes, já que até o dia 26 foram confirmadas 1.065. Caso ultrapasse os 1.116 óbitos registrados em maio, junho será o segundo mês com mais vítimas fatais da Covid-19 em MS.

No Estado, a linhagem predominante do coronavírus é a P1, sendo encontrada em 30% dos casos analisados pela SES em parceria com o Lacen (Laboratório Central de Saúde Pública). De acordo com a Secretaria, esta é uma “variante de preocupação, indicada por algumas pesquisas como altamente transmissível e maior potencial de gravidade”. Ela está presente em pelo menos 19 cidades de MS.

Embora os índices de ocupação de leitos tenham baixado para 91% nesta semana. A ocupação de UTIs (Unidades de Terapia Intensiva) Covid-19 com mais de 80% é considerada alarmante, segundo a Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz).

A população deve manter os cuidados básicos contra a Covid-19, mesmo com o avanço da vacinação. Lembre-se de sempre usar máscara de proteção quando sair de casa, manter distanciamento social, evitar aglomerações, higienizar as mãos e, quando for chamado para vacinação, compareça a um ponto de imunização e se vacine.

Jornal Midiamax