Cotidiano

Carcaças de animais foram encontradas após monitoramento de GPS em onça

A Polícia Federal investiga o que causou a morte dos animais no Pantanal

Mariane Chianezi Publicado em 21/06/2021, às 15h17

None
Divulgação/Instituto SOS Pantanal

As carcaças dos animais encontrados mortos na semana passada na região do Passo do Lontra, em Corumbá, foram encontradas após instituto rastrear colar com GPS colocado em uma das onças-pintadas. A Polícia Federal está investigando o que causou as mortes dos animais.

Conforme a postagem do Instituto SOS Pantanal, o monitoramento era feito pelo Instituto Reprocon e a principal suspeita é que os animais tenham sido envenenados. Foram duas onças-pintadas entre outros 16 animais encontrados mortos na região Sul do Pantanal.

“Em retaliação ao ataque de onças ao gado, não é difícil a prática do envenenamento da carcaça para que quando o animal volte para se alimentar, ele morra envenenado. Essa prática, além de um crime cruel, acaba matando outros diversos animais que também se alimentam da carcaça”, pontua a postagem, afirmando que a prática é feita pela minoria.

Investigação

A Polícia Federal de Mato Grosso do Sul abriu inquérito para investigar as circunstâncias da morte de duas onças e outros 18 animais no Pantanal, em uma fazenda localizada na região conhecida como Passo do Lontra, em Corumbá, a 425 quilômetros de Campo Grande. A suspeita é de envenenamento e amostras foram coletadas para perícia.

 Na última quarta-feira (16), a polícia foi informada a respeito das mortes e no dia seguinte, na quinta-feira (17), foi ao local juntamente com servidores do Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis), a fim de realizar os levantamentos iniciais. 

Além das duas onças, também foram encontradas as carcaças de um boi, um cachorro do mato, dois carcarás e 14 urubus, todos em avançado estado de decomposição.  Os policiais realizaram diligências preliminares na propriedade, bem como foi feita perícia no local e coletadas amostras para análise.

Jornal Midiamax