Cotidiano

Campo Grande vai aderir a consórcio de municípios para compra de vacina, diz Marquinhos

O prefeito Marquinhos Trad (PSD) informou, na manhã desta terça-feira (02), que Campo Grande irá aderir ao Consórcio Nacional de Municípios para comprar vacinas para Covid-19.  A previsão é que a associação seja constituída, legalmente, até 22 de março para, depois disso, possa atuar na aquisição de imunizantes. O movimento é liderado pela FNP (Frente […]

Gabriel Maymone Publicado em 02/03/2021, às 11h21 - Atualizado às 16h50

Marquinhos Trad | Foto: Leonardo de França, Midiamax
Marquinhos Trad | Foto: Leonardo de França, Midiamax - Marquinhos Trad | Foto: Leonardo de França, Midiamax

O prefeito Marquinhos Trad (PSD) informou, na manhã desta terça-feira (02), que Campo Grande irá aderir ao Consórcio Nacional de Municípios para comprar vacinas para Covid-19. 

A previsão é que a associação seja constituída, legalmente, até 22 de março para, depois disso, possa atuar na aquisição de imunizantes.

O movimento é liderado pela FNP (Frente Nacional de Prefeitos), que reúne as 412 cidades com mais de 80 mil habitantes, porém não é necessário fazer parte do grupo para participar do consórcio.

Presidente da FNP, Jonas Donizette destacou que a orientação aos prefeitos e prefeitas diante do cenário iminente de colapso da saúde é de que os prefeitos “lancem mão de todos os instrumentos que têm para evitar a situação dramática de ter de escolher entre quem vai viver ou morrer”.

Compra de doses

Depois que os ministros do STF (Supremo Tribunal Federal) decidiram que estados e municípios podem comprar e fornecer vacinas contra o coronavírus à população, na semana passada, Marquinhos disse que quer retomar as negociações para comprar 347 mil doses da vacina.

Em janeiro, o município já havia proposto a compra das doses ao Instituto Butantan e aguardava resposta. Com a autorização, a Prefeitura quer retomar a proposta e ainda pode negociar a compra de doses de vacinas de outros laboratórios. Marquinhos explica que, independente do laboratório, a Capital aceitará comprar qualquer uma das vacinas que sejam aprovadas pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária).

No início do ano, a Prefeitura de Campo Grande propôs a compra de 347 mil doses da vacina Coronavac. A proposta havia sido apresentada ao Instituto Butantan, mas como as vacinas foram reservadas apenas para a compra do Ministério da Saúde, a negociação foi suspensa.

Jornal Midiamax