Cotidiano

Cadeirante perde prova da UFMS após motorista de aplicativo recusar e Fusca da família ter pane

Entrar na UFMS (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul) é o sonho de muitas pessoas que querem estudar e alcançar seus objetivos profissionais. Mas muitos sonhos acabam sendo adiados ainda antes do vestibular. Foi o que aconteceu com César Recalde Aveiro, 39 anos, que é cadeirante e sofreu uma série de acontecimentos na ida […]

Gabriel Maymone Publicado em 29/01/2021, às 09h02 - Atualizado às 16h46

César teve série de problemas e não chegou a tempo para vestibular da UFMS (Foto: Henrique Arakaki, Midiamax)
César teve série de problemas e não chegou a tempo para vestibular da UFMS (Foto: Henrique Arakaki, Midiamax) - César teve série de problemas e não chegou a tempo para vestibular da UFMS (Foto: Henrique Arakaki, Midiamax)

Entrar na UFMS (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul) é o sonho de muitas pessoas que querem estudar e alcançar seus objetivos profissionais. Mas muitos sonhos acabam sendo adiados ainda antes do vestibular. Foi o que aconteceu com César Recalde Aveiro, 39 anos, que é cadeirante e sofreu uma série de acontecimentos na ida para a prova, na manhã desta sexta-feira (29), em Campo Grande.

Por ter mobilidade reduzida, ele precisa de um professor de educação especial para o ajudar na prova. Então, mesmo morando no Bairro Pioneiros, ele  acabou sendo designado para a UCDB (Universidade Católica Dom Bosco), pois seria o local que havia a disponibilidade desse profissional.

A jornada de César começou quando sua mãe, Salvadora de Aveiro, 59, que o acompanhou, chamou um motorista de aplicativo para levá-los ao local da prova. “Ele aceitou a corrida, mas quando viu que era cadeirante, não quis levar”, conta a mãe, ainda desolada.

Assim, decidiram ir com o carro da família mesmo, um Fusca, que não está com a parte mecânica em boas condições e, por isso mesmo, não seria a primeira opção de César. Então, o irmão dele dirigiu para ele até a UCDB.

vestibular UFMS
Mãe de César lamenta que filho tenha perdido prova da UFMS. (Foto: Henrique Arakaki, Midiamax)

Estava tudo indo bem, até que, já na Avenida Tamandaré, o veículo sofreu um pane. Nesse momento, quando César já dava tudo por perdido, o irmão conseguiu consertar o carro e seguiram, novamente, para a universidade.

Apesar dos esforços, os portões já estavam fechados para César, que viu o sonho de cursar ciências contábeis na UFMS ser adiado. “Quero estudar, trabalhar, me inserir na sociedade”, lamentou.

Outra candidata que perdeu a prova foi Ivia Milleny, 19, que deseja cursar Direito. Ela contou que mora no Bairro Tijuca e saiu de casa às 7h, mas o trânsito não colaborou. “O motorista do aplicativo pegou uma rota alternativa, mas não deu”.

Ela conta que fez a prova do Enem já, mas também pretendia prestar o vestibular da UFMS para aumentar suas chances de ingresso.

Congestionamento e aglomeração

Nos três maiores locais de aplicação da prova na cidade: UCDB (Universidade Católica Dom Bosco), Anhanguera-Uniderp e no próprio campus da instituição, há relatos de trânsito lento e aglomeração.

Na UCDB, a situação do trânsito é mais caótica, pois há uma rota principal de acesso. Assim, a avenida Tamandaré registrou congestionamento.

Já na Anhanguera-Uniderp, minutos antes do fechamento dos portões, os candidatos enfrentaram aglomeração para passar pela catraca. As imagens mostram mais de 300 pessoas esperando para entrar para o vestibular. Além disso, o trânsito nas avenidas do entorno ficaram com trânsito lento devido ao fluxo de veículos.

Por lá, a fila para acessar o prédio dobrou o quarteirão, na Avenida Ceará.
Vestibular

O vestibular da UFMS ocorre em 11 municípios do Estado. Ao todo, são ofertadas 5.276 vagas distribuídas em 114 cursos de graduação, sendo 4.249 são para o exame e 1.027 para o PASSE (Programa de Avaliação Seriada Seletiva).

Cerca de 16.394 candidatos devem participar das provas.

Jornal Midiamax