Cotidiano

Arara é encontrada morta após levar choque em transformador na Mata do Jacinto

Casal de araras vivia em palmeira e moradores estranharam silêncio

Danielle Errobidarte e Gabriel Maymone Publicado em 27/06/2021, às 15h50

None
(Foto: Leitor Midiamax)

Uma arara foi encontrada morta no transformador de energia da Rua Erasmo Nunes da Cunha, no Bairro Mata do Jacinto, na manhã deste domingo (27), em Campo Grande. Junto a outro animal da espécie, o casal de aves fazia ninho na copa de uma palmeira e moradores estranharam o silêncio.

José Avelar, de 58 anos, explicou que havia cortado a palmeira para evitar acidentes com as folhas na rede elétrica, quando as aves aproveitaram para fazer ninho. Acostumado com o barulho das araras diariamente, ele notou que o casal começou a frequentar a copa da árvore para procriar.

“Hoje percebemos um silêncio muito grande, fomos ver e uma das araras havia morrido com uma descarga do transformador da rede elétrica”, lamenta.

José afirma que, curiosamente, o companheiro da arara permaneceu ao lado do animal já sem vida, sem emitir sons, como se estivesse de luto. “A outra arara está lá, não sabemos se é macho ou fêmea, mas parece estar inconsolável e triste, parado sem movimento ou ruído”.

Preocupados com a arara sobrevivente, ele, junto a esposa e os filhos, solicitaram apoio da PMA (Polícia Militar Ambiental) e da Energisa. Em nota, a PMA afirmou que “a retirada do animal é feita pela concessionária de energia, uma vez que precisa desligar a rede” – em relação ao animal vivo de perto dos fios de alta tensão.

Já sobre a arara morta, deve ser feito apenas a retirada do animal. O morador informou que uma equipe da Energisa está no local para verificar o que pode ser feito. O fornecimento de energia para a região não foi afetado.

Fale com os jornalistas do Midiamax

O leitor enviou as imagens ao WhatsApp do Jornal Midiamax no número (67) 99207-4330. O canal de comunicação serve para os leitores falarem com os jornalistas. Flagrantes inusitados, denúncias, reclamações e sugestões podem ser enviados com total sigilo garantido pela lei.

Jornal Midiamax