Cotidiano

Após reajuste de energia em MS, Aneel deve receber pedido para que aumento não seja aplicado

Decisão veio em momento que população sofre com falta de rendimentos e desemprego

Fábio Oruê Publicado em 22/04/2021, às 15h46

Contas de luz ficarão mais caras em MS
Contas de luz ficarão mais caras em MS - Foto: Arquivo/ Jornal Midiamax

A aprovaçao do rejuste de 8,9% nas contas de luz em Mato Grosso do Sul, feito pela Aneel (Agência Nacional da Energia Elétrica), desagradou a população do Estado e está mobilizando autoridades, que estão reagindo ao aumento na tarifa. A decisão já havia sido adiada por duas vezes para cálculos de atenuação na tarifa.

Levando em consideração a atual situação vivida pelo sul-mato-grossense por conta da pandemia do coronavírus (e por todo o Brasil), um pedido será feito a agência para que a tarifa maior só seja aplicada no ano que vem, por conta do desemprego que assola os moradores e consequentemente a falta de recursos para comprar até mesmo itens básicos para a sobrevivência. 

"[...] Pelo menos que seja implantado a partir do ano que vem em função da pandemia, da crise econômica. Ninguém teve aumento de salário. Veja só, 8.9 é quase o dobro da inflação, que foi 4.52 no ano passado. E um rejuste 8.9 quando ninguém teve aumento de salário. Nós solitamos isso e vamos estar contando com o apoio da população do estado", disse o deputado estadual Felipe Orro (PSDB), que fez o pedido para que o reajuste comece a valer em janeiro de 2022. 

O reajuste terá impacto diferente nas classes de consumidores, veja abaixo:

  • Alta tensão - 10,28%
  • Grupo B - Baixa tensão 8,27%
  • Residencial - 7,28%
  • Reajuste médio de 8,9% (seria  14,76%) 

A decisão desagradou a população, que expôs seu descontentamento nas redes sociais. "É o valor do salário mínimo, não dá nem para pagar as contas da casa. Vamos viver de quê? Brisa?", reclamou uma internauta. "Será que vou ter que comprar lamparina?", ironizou outra. 

Jornal Midiamax