Cotidiano

Após queimadas, Conselho avalia local para centro veterinário na Serra do Amolar

Uma equipe do CRMV-MS (Conselho Regional de Medicina Veterinária de Mato Grosso do Sul) e IHP (Instituto do Homem Pantaneiro) visitaram, nesta terça-feira (19), o local onde será construído uma central de atendimento veterinário na Serra do Amolar, em Corumbá, a 417 quilômetros de Campo Grande. Conforme o instituto, as parcerias continuam neste ano, após […]

Karina Campos Publicado em 20/01/2021, às 17h18 - Atualizado às 17h18

Resgate de animais durante incêndio em 2020. (Foto: Divulgação/IHP)
Resgate de animais durante incêndio em 2020. (Foto: Divulgação/IHP) - Resgate de animais durante incêndio em 2020. (Foto: Divulgação/IHP)

Uma equipe do CRMV-MS (Conselho Regional de Medicina Veterinária de Mato Grosso do Sul) e IHP (Instituto do Homem Pantaneiro) visitaram, nesta terça-feira (19), o local onde será construído uma central de atendimento veterinário na Serra do Amolar, em Corumbá, a 417 quilômetros de Campo Grande.

Conforme o instituto, as parcerias continuam neste ano, após 2020 ser marcado por incêndios e destruição de parte da fauna e flora do Pantanal. A equipe levou mais frutas para alimentar os animais sobreviventes. De acordo com o IHP, a concessionária Energisa irá doar um ano de fruta e combustível para as viagens até os locais atingidos.

“Além de atender os animais domésticos das comunidades da região, o centro é uma das medidas importantes para rápido atendimento, caso hajam animais atingidos por incêndios florestais, como tivemos em 2020”, informou o instituto.

A viagem também foi marcada pela preparação de receber a onça-pintada, apelidada de Jout Jout, que foi vítima das chamas. O animal foi resgatado debilitado, com parte do corpo e patas queimadas. Desde novembro de 2020, o felino passou por tratamento no Cras (Centro de Reabilitação de Animais Silvestres).

Jornal Midiamax