Cotidiano

Antes do Prosseguir, prefeitura em MS mantém restrições e prorroga toque de recolher às 15h

Programa estadual deve atualizar mapa de risco na quarta-feira

Adriel Mattos Publicado em 22/06/2021, às 14h18

Vista aérea de Porto Murtinho
Vista aérea de Porto Murtinho - Foto: Edemir Rodrigues/Subcom-MS

A prefeitura de Porto Murtinho, cidade no sudoeste de Mato Grosso do Sul, prorrogou as medidas de restrição para minimizar o avanço da pandemia de Covid-19 por tempo indeterminado. O decreto foi publicado na edição de segunda-feira (21) do Diário Oficial do município.

A manutenção das restrições vem antes da nova atualização do Prosseguir (Programa de Saúde e Segurança da Economia), que deve ser divulgada na quarta-feira (23). No último mapa do programa estadual, a cidade foi classificada com bandeira cinza, com risco extremo de transmissão do novo coronavírus.

Fica mantido o toque de recolher das 15h às 5h do dia seguinte. No fim de semana, é proibida a circulação de veículos e pessoas, ficando autorizado o delivery de alimentos, medicamentos, gás de cozinha, entre outros itens e serviços essenciais. 

Continua proibida a venda de bebidas alcoólicas nos fins de semana, feriados e pontos facultativos. Supermercados e mercearias podem abrir para atender até 30% da capacidade. Academias podem funcionar no limite de 50% do público máximo. Igrejas seguem proibidas de realizar celebrações.

Salões de beleza e estabelecimentos de estética podem atender um cliente por vez a cada hora, desde que haja horário previamente definido para cada pessoa. Todos os estabelecimentos ficam obrigados a organizar filas de modo a manter o distanciamento de 1,5 metro.

Viajantes e visitantes só podem entrar na cidade se apresentarem resultado de exame negativo realizado nas últimas 72 horas. Hotéis e pousadas não podem permitir a entrada de pessoas que não estejam hospedadas nestes locais.

Festas e eventos também continuam vedados. Quem for flagrado sem máscara em via pública será multado em 100 UFIMs (Unidade Fiscal do Município), o que equivale a R$ 2,5 mil.

Jornal Midiamax