Cotidiano

Vale do Ivinhema vê número de casos de coronavírus dobrar em junho

Região de 10 municípios tem 105 casos positivos de coronavírus; Ivinhema, que apareceu nas estatísticas no fim de maio, lidera em infecções.

Humberto Marques Publicado em 21/06/2020, às 17h31

Casos de Covid-19 no Vale do Ivinhema dobraram em menos de um mês. (Imagem: Reportagem)
Casos de Covid-19 no Vale do Ivinhema dobraram em menos de um mês. (Imagem: Reportagem) - Casos de Covid-19 no Vale do Ivinhema dobraram em menos de um mês. (Imagem: Reportagem)

Formada por 10 municípios, a região do Vale do Ivinhema, no leste de Mato Grosso do Sul, precisou de 21 dias para dobrar o volume de casos de coronavírus colecionados em pouco mais de dois meses. A região, palco das primeiras mortes pela Covid-19 no Estado, chegou a 105 infecções em 8 cidades –até aqui, duas “escaparam” da pandemia.

A região que leva o nome de um de seus principais rios –que também batiza um dos municípios mais importantes– é formada por Anaurilândia, Angélica, Bataguassu, Batayporã, Brasilândia, Ivinhema, Nova Andradina, Novo Horizonte do Sul, Santa Rita do Pardo e Taquarussu, conforme o Mapa do Território da Cidadania do Governo Federal. Anaurilândia e Santa Rita, até aqui, seguem sem registros de infectados.

Até 30 de maio, eram pouco mais de 50 casos na região, valor que chegou a 105 no boletim divulgado pela SES (Secretaria de Estado de Saúde) neste domingo (21) –com 3 casos no Vale do Ivinhema, em Batayporã, Ivinhema e Nova Andradina. Quatro pessoas morreram da doença na região.

O primeiro caso na região foi registrado em uma paciente de Batayporã –de onde também saíram dois casos em sequência. Em 31 de março e 8 de abril, o município relatou os dois primeiros óbitos do Estado. Logo, funcionários do hospital da vizinha Nova Andradina –as cidades são separadas por cerca de 6 quilômetros– que tratou pacientes relataram contágio.

Apesar de as duas cidades serem as primeiras da região a aparecerem nas estatísticas estaduais –seguidas a partir de 20 de abril por Bataguassu–, nenhuma delas é a primeira colocada em casos confirmados da doença.

O posto pertence a Ivinhema, com 25 infectados e onde a Covid-19 desembarcou apenas em 25 de maio. Isto é, em menos de um mês, a cidade de pouco mais de 23 mil habitantes apresentou seu primeiro contagiado e viu a doença se disseminar. A incidência local é de 107,8 casos por 100 mil habitantes.

Nova Andradina relata ter 21 casos e Bataguassu, 20. Na sequência aparece Brasilândia, onde uma festa familiar terminou com dois óbitos, registrados nos dias 13 e 18 de maio, com 16 casos. Batayporã informou 10 casos. Novo Horizonte do Sul –outro município a estrear recentemente nas estatísticas– tem 8 casos, ante 4 de Angélica. Por fim, com apenas um relato em 23 de maio, Taquarussu totalizou um caso.

Neste domingo, Mato Grosso do Sul confirmou mais de 5 mil casos positivos de Covid-19, com 47 mortes.

Jornal Midiamax