Cotidiano

Laboratório em parceria entre UEMS e Itaipu vai custar R$ 7,8 milhões

A UEMS (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul), de Mundo Novo, a 463 quilômetros de Campo Grande, e a usina hidrelétrica Itaipu Binacional, assinaram um convênio de cooperação para construção de um novo laboratório de fertilidade de solo, herbário e ações socioambientais de R$ 7,8 milhões. De acordo com a universidade, R$ 5 milhões […]

Karina Campos Publicado em 14/09/2020, às 15h14 - Atualizado em 15/09/2020, às 14h39

Bacias de acesso a hidroelétrica irão passar por pesquisas. (Foto: Divulgação UEMS)
Bacias de acesso a hidroelétrica irão passar por pesquisas. (Foto: Divulgação UEMS) - Bacias de acesso a hidroelétrica irão passar por pesquisas. (Foto: Divulgação UEMS)

A UEMS (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul), de Mundo Novo, a 463 quilômetros de Campo Grande, e a usina hidrelétrica Itaipu Binacional, assinaram um convênio de cooperação para construção de um novo laboratório de fertilidade de solo, herbário e ações socioambientais de R$ 7,8 milhões.

De acordo com a universidade, R$ 5 milhões serão repassados para a usina, que irá desenvolver ações socioambientais e técnicas-científicas como redução de danos de erosões, carreamento de metais pesados e poluição das águas e do solo.

Já o Laboratório de Fertilidade irá contribuir para análise de solo de regiões do Estado, favorecendo produtores rurais, empresas públicas e privadas do MS.

“Esse convênio não é só infraestrutura. É um modelo de referência com objetivos específicos que abrigará perspectivas positivas, desafios, atuando como um campo fértil para a produção do conhecimento e desenvolvimento da sociedade”, disse o secretário da Segov (secretaria de Governo e Gestão Estratégica), Eduardo Ridel.

A parceria visa estudar e implantar ações nos sedimentos das bacias hidrográficas que abastecem o Paraná e Mato Grosso do Sul, favorecendo a vida útil de reservatórios, e diminuindo gastos com a manutenção e processos da usina hidroelétrica.

“Esse investimento que estamos fazendo na região vai ao encontro de uma necessidade muito importante, que é a conservação da qualidade da água e da vida útil do reservatório, permitindo a geração de energia”, explicou o diretor de Coordenação da Itaipu, general Luiz Felipe Carbonell.

O convênio tem validade de 36 meses de vigência e execução dos planos de trabalho. No laboratório serão investidos cerca de R$ 2 milhões para obras, compra de 70 equipamentos, um micro-ônibus, um moto gerador para autonomia de energia, um novo transformador, além da previsão de construção e instalação de hidrantes.

Além da infraestrutura, mais de 700 mil serão investidos em projetos de extensão e pesquisa. Mais 13 professores ingressam nas atividades, sendo 11 em Mundo novo, um na unidade de Aquidauana e um na UFPR (Universidade Federal do Paraná).

Jornal Midiamax