Cotidiano

Três novas mortes por dengue são confirmadas e MS já registra 9 mil notificações

O boletim epidemiológico divulgado nesta quarta-feira (5) pela SES (Secretaria de Estado de Saúde) apontou que três pessoas morreram por conta da dengue em Mato Grosso do Sul. O dado também mostra elevação das notificações e casos confirmados no Estado. As novas mortes foram confirmadas em três cidades. Um idoso de 74 anos morreu na […]

Vinícius Costa Publicado em 05/02/2020, às 16h45 - Atualizado em 06/02/2020, às 08h34

Foto: Reprodução
Foto: Reprodução - Foto: Reprodução

O boletim epidemiológico divulgado nesta quarta-feira (5) pela SES (Secretaria de Estado de Saúde) apontou que três pessoas morreram por conta da dengue em Mato Grosso do Sul. O dado também mostra elevação das notificações e casos confirmados no Estado.

As novas mortes foram confirmadas em três cidades. Um idoso de 74 anos morreu na última segunda-feira (3) em Campo Grande, assim como um idoso, de 72 anos que faleceu em São Gabriel do Oeste. Em Caarapó, uma idosa de 79 anos também veio a óbito morreu no dia 31 de janeiro.

Depois de uma semana, as notificações saltaram de 6.126 para 9.053, tendo deste número 2.040 casos sendo confirmados pela secretaria. Campo Grande segue liderando as estatísticas com 425 casos confirmados seguidos por Três Lagoas com 160, Brasilândia com 150 e Sonora com 148.

Mortes por dengue

A primeira morte pela doença foi registrada em Corumbá, onde um homem, de 29 anos faleceu no dia 9 de janeiro. As outras mortes foram de um homem, de 30 anos que veio a óbito no dia 12 de janeiro em Campo Grande e de um adolescente de 17 anos, residente de Sete Quedas que veio a falecer no dia 10 de janeiro.

A quarta vítima confirmada foi uma mulher, de 67 anos residente de Cassilândia, que veio a óbito no dia 15 de janeiro por dengue hemorrágica. Na semana, outras duas confirmações. Célia Alves, de 52 anos moradora de Nova Andradina morreu pela doença no dia 28 de janeiro e um idoso de 85 anos que morreu no dia 22 e que possuía diabetes e hipertensão como comorbidades.

Jornal Midiamax