Cotidiano

Sem pagamento, funcionários cruzam os braços e HRMS tem acúmulo de lixo

Com leitos UTI (Unidade de Terapia Intensiva) lotados por conta da pandemia do coronavírus (Covid-19), o HRMS (Hospital Regional de Mato Grosso do Sul) tem lixo acumulado nesta segunda-feira (14). Isso porque parte dos funcionários da empresa terceirizada Prime Clean, que atuam na limpeza da unidade, não compareceram ao serviço, pois estão com os salários […]

Gabriel Maymone Publicado em 14/12/2020, às 11h14 - Atualizado às 16h39

Sem equipe completa da limpeza, lixo se acumula no HRMS. (Foto: Fala Povo, Midiamax)
Sem equipe completa da limpeza, lixo se acumula no HRMS. (Foto: Fala Povo, Midiamax) - Sem equipe completa da limpeza, lixo se acumula no HRMS. (Foto: Fala Povo, Midiamax)

Com leitos UTI (Unidade de Terapia Intensiva) lotados por conta da pandemia do coronavírus (Covid-19), o HRMS (Hospital Regional de Mato Grosso do Sul) tem lixo acumulado nesta segunda-feira (14). Isso porque parte dos funcionários da empresa terceirizada Prime Clean, que atuam na limpeza da unidade, não compareceram ao serviço, pois estão com os salários atrasados.

A empresa Prime Clean garantiu que os funcionários devem receber o salário ainda hoje. Conforme informado pela empresa ao sindicato que representa a categoria, a expectativa era de que o pagamento fosse feito na sexta-feira, mas por ‘questões bancárias’ isso não foi possível.

O presidente da entidade, Wilson Gomes da Costa informou ao Jornal Midiamax que a empresa garantiu o pagamento até o final da manhã desta segunda-feira (14). “Quem não receber, peço que procure o sindicato até às 13h para tomarmos as providências”, pontuou o sindicalista.

Um representante dos funcionários, que preferiu não ter a identidade revelada, informou que, caso o pagamento não esteja na conta até às 13h, todos os trabalhadores irão deixar seus postos de trabalho. 

Na sexta, a SES (Secretaria de Estado de Saúde) informou que o pagamento foi realizado à empresa. No entanto, o problema com o pagamento se deu entre a empresa e o banco.

Impasse

A empresa alegou estar há quatro meses sem receber do hospital e, após a situação ser exposta, recebeu o pagamento. Por outro lado, o HRMS havia declarado que a Prime não havia enviado documentos previstos no contrato e, por isso, não havia realizado os pagamentos previstos.

Assim, o salário dos funcionários ficou atrasado. Na sexta-feira, a empresa confirmou o recebimento do pagamento por parte do hospital e garantiu que o salário seria pago até às 16h, o que não ocorreu.

Então, nesta segunda-feira, muitos não foram trabalhar. Com o plantão diurno defasado, a unidade tem acúmulo de lixo e falta de higienização correta, justamente em um período em que vê o número de internações por Covid-19 disparar.

Jornal Midiamax