Cotidiano

Professor europeu era fã do Pantanal e do sistema de Justiça eletrônico de MS

O professor europeu dava aulas em Mato Grosso do Sul e considerava moderno e eficiente o sistema eletrônico da Justiça do Estado.

Dândara Genelhú Publicado em 10/12/2020, às 17h27 - Atualizado às 18h15

Michele e Celso no projeto em Campo Grande. Foto: Reprodução.
Michele e Celso no projeto em Campo Grande. Foto: Reprodução. - Michele e Celso no projeto em Campo Grande. Foto: Reprodução.

Nesta quinta-feira (10) o mundo dos juristas e estudiosos de Direito perdeu um dos grandes nomes da área. O professor de Direito Processual na Itália, Michele Taruffo faleceu aos 77 anos. O professor europeu dava aulas em Mato Grosso do Sul e considerava moderno e eficiente o sistema eletrônico da Justiça do Estado.

Além de grandes obras como o livro “Uma simples verdade”, o italiano deixou marcas nos corações dos amigos. Um deles é de Campo Grande. O atual coordenador do curso de pós-graduação do ITH na Capital, Celso Philbois, possui oito anos de história ao lado de Michele.

Assim, desde 2012 os profissionais compartilham a paixão pelo mundo jurista. “E desde então começamos nosso trabalho e até uma amizade”, lembra o sul-mato-grossense.

“Ele dava aula em um projeto de mestrado aqui e eu tive o privilégio de conviver com ele, foi muito importante para nós”, explica Celso. A vinda do professor europeu aconteceu para a realização de um projeto de mestrado. Que é um convênio entre o ITH (Instituto Health) com a faculdade de Girona, Espanha.

Michele e Celso coordenaram juntos o curso. “Ele era o professor neste projeto, nós tivemos o privilégio de formar quatro turmas neste programa aqui em Campo Grande, entre juízes e promotor”.

Sistema avançado

Celso destaca que o jurista italiano considerava o sistema eletrônico de MS impressionante. “Uma das coisas que ele observava sempre era sobre o nosso sistema de processo eletrônico. Isso impressionava ele”.

Então, indo mais além, “Michelle comentava sempre que a Europa tinha o sistema engessado e aqui nós temos um sistema de justiça todo moderno”. Assim, o professor acreditava que “temos uma forma muito eficiente aqui”.

Michele visitava Campo Grande pelo menos duas vezes por ano, quando ficava uma semana no país. Durante os períodos de lazer, gostava de praticar turismo. “Ele era um grande fã do Pantanal, gostava de fazer passeios”.

Por fim, saudoso, Celso lembra que já visitou muitos pontos turísticos com o amigo. “Já estivemos juntos na Serra do Amolar e fizemos grandes andanças por aqui”.

Jornal Midiamax