Cotidiano

Prefeitura restringe eventos e libera passe parcial para idosos em Campo Grande

Após reunião do prefeito Marquinhos Trad (PSD) com representantes do MPMS (Ministério Público de Mato Grosso do Sul) e com setores do comércio, foram definidas novas medidas para conter o avanço do coronavírus em Campo Grande e também não sobrecarregar os leitos de UTI públicos, que conta com 96% da ocupação. Conforme o procurador geral do […]

Mariane Chianezi Publicado em 14/12/2020, às 14h02 - Atualizado às 15h32

Reunião que definiu novas medidas terminou nesta tarde (Foto: Marcos Ermínio, Midiamax)
Reunião que definiu novas medidas terminou nesta tarde (Foto: Marcos Ermínio, Midiamax) - Reunião que definiu novas medidas terminou nesta tarde (Foto: Marcos Ermínio, Midiamax)

Após reunião do prefeito Marquinhos Trad (PSD) com representantes do MPMS (Ministério Público de Mato Grosso do Sul) e com setores do comércio, foram definidas novas medidas para conter o avanço do coronavírus em Campo Grande e também não sobrecarregar os leitos de UTI públicos, que conta com 96% da ocupação.

Conforme o procurador geral do município, Alexandre Ávalo, foram apresentados dados técnicos e números para serem usados como base na discussão. Após a CDL (Câmara dos Dirigentes Lojistas) e a Abrasel solicitaram toque de recolher a partir das 23h e o MPMS (Ministério Público de Mato Grosso do Sul) pedir que fosse baixado o início a partir das 21h, ficou definido que a medida segue entre às 22h e 5h, sem alterações.

De acordo com o setor dos lojistas, o Ministério Público teria solicitado lei seca de 24h, mas após diálogo, participantes chegaram a uma decisão. “Foi menos pior o que foi feito. O MPMS queria lei seca 24h e o toque de recolher às 21h, mas entraram em um consenso. Já a CDL e a Abrasel queriam que o toque de recolher fosse para as 23h”, disse Adelaido Vila, presidente da CDL.

Eventos

Outra medida que sofreu alterações é que abrange festas e eventos em Campo Grande. Shows e apresentações artísticas estão proibidas, com exceção de eventos coorporativos ou religiosos (no caso de casamentos).

Até então, eventos estavam liberados desde que normas de biossegurança e capacidade máxima de 40% da lotação fossem cumpridas. Segundo o município, nas novas regras, eventos religiosos ou corporativos – os únicos que permanecem liberados – só poderão ser realizados com limite máximo de 80 pessoas. O limite de 40% de ocupação dos espaços menores segue válido desde que o número de pessoas presentes nos eventos não ultrapasse 80.

Mais detalhes a respeito da restrição na realização de eventos serão divulgados em novo decreto, que deve ser publicado ainda nesta segunda-feira.

Passe livre

Outra decisão tomada diz respeito ao passe livre dos idosos, que está suspenso desde o dia 7 de dezembro. O MPMS solicitou que o passe fosse reativado, mas que pudesse funcionar entre às 9h e 16h, fora do horário de pico. O pedido foi aceito pelo município.

A reunião entre a Prefeitura Municipal, MPMS, CDL, ACICG, entre outros, deve acontecer a cada 7 dias para que medidas sejam revisadas. As novas decisões devem ser decretadas em edição extra do Diogrande (Diário Oficial de Campo Grande).

Restrição em MS

Para cidades que já tinham um toque de recolher, a situação não deve mudar. O toque de recolher estadual busca impor uma restrição na circulação em todas as cidades, já que muitas ainda não tinham tomado uma medida para controle do coronavírus.

Há cidades com toque de recolher mais rígido, é o caso de Dois Irmãos do Buriti, que foi classificado com risco extremo de transmissão da Covid-19. Na cidade, localizada a 117 km de Campo Grande, começa às 20 horas. Em casos como este, em que o toque de recolher começa mais cedo, prevalece o horário estabelecido no decreto municipal.

O número de casos de coronavírus voltou a crescer em Mato Grosso do Sul. Boletim divulgado no domingo (13) pelo governo do Estado mostrou que o número de casos confirmados da doença chegou a 113.298 em MS, com 1.931 mortes.

Jornal Midiamax