Pesquisadores e autoridades irão debater na segunda-feira (20) os impactos da construção da rota internacional, localizada estrategicamente próximo a fronteira de Mato Grosso do Sul, e de países vizinhos. O Corredor Bioceânico pretende dar mais agilidade e visibilidade aos eixos da economia.

Será apresentado a divulgação dos primeiros resultados do projeto de pesquisa e extensão multidisciplinar, com presença do ministro das Relações Exteriores, João Carlos Parkinson de Castro, do Ministério das Relações Exteriores. Serão abordados aspectos econômicos, sociais e históricos da obra que vai promover a integração comercial e cultural entre os quatro países da América do Sul.

A construção irá unir os oceanos Atlântico e Pacífico, entre o Brasil, Paraguai, Argentina e Chile rumo aos demais mercados do mundo, além de deixar o Estado como eixo-central da rota.

Os docentes e integrantes do projeto, debateram sobre os cinco eixos: economia, turismo, logística, direito e história. A live será realizada às 14h, por transmissão ao vivo pelo Facebook e canal no Youtube “Projeto Corredor Bioceânico”

“O evento on-line deverá dar início ao processo de aproximação do projeto com a comunidade. Por meio da apresentação dos primeiros resultados, a ideia é alçar observações úteis e gerar as bases para futuras intervenções de desenvolvimento no Corredor Bioceânico, a iniciar pelo município de Porto Murtinho”, diz o coordenador da Esan (Escola de Administração e Negócios ), professor Erick Wilke.

Projeto

O Corredor deve ter cerca de 2,3 mil km de trajeto, sendo 430 km de Campo Grande a Porto Murtinho; 559 km no Paraguai; 977 km na Argentina; e 430 km no Chile.