Cotidiano

Pais gastam mais e levam crianças para escolher presente de última hora em Campo Grande

Pais, avós e tios que deixaram para comprar os presentes de Dia das Crianças de última hora, encontraram poucas opções de lojas abertas no Centro de Campo Grande na manhã desta segunda-feira (12), feriado estadual de Nossa Senhora Aparecida. Entretanto, a maioria que saiu às compras preferiu levar os pequenos, escolheram com antecedência o que […]

Danielle Errobidarte Publicado em 12/10/2020, às 13h30 - Atualizado às 18h45

Movimento é intenso nas poucas lojas abertas no feriado. (Foto: Henrique Arakaki)
Movimento é intenso nas poucas lojas abertas no feriado. (Foto: Henrique Arakaki) - Movimento é intenso nas poucas lojas abertas no feriado. (Foto: Henrique Arakaki)

Pais, avós e tios que deixaram para comprar os presentes de Dia das Crianças de última hora, encontraram poucas opções de lojas abertas no Centro de Campo Grande na manhã desta segunda-feira (12), feriado estadual de Nossa Senhora Aparecida. Entretanto, a maioria que saiu às compras preferiu levar os pequenos, escolheram com antecedência o que comprar e pretendiam gastar mais.

Bastante procurado em épocas comemorativas como essa, o Camelódromo está fechado nesta segunda-feira. Pela manhã, apenas comércios específicos de brinquedos, como as duas unidades da Pirlimpimpim na Avenida Mato Grosso, estavam abertas, além da Giga da Avenida Afonso Pena, e da Rua Dom Aquino. As Lojas Americanas na Avenida 14 de julho e a unidade da Rua Marechal Cândido Mariano Rondon também optaram por abrir as portas para vendas.

Pais gastam mais e levam crianças para escolher presente de última hora em Campo Grande
Segundo encarregado da Giga da Afonso Pena, bonecas e carrinhos são os preferidos da criançada. (Foto: Henrique Arakaki)

Com o filho de 7 anos de olho em carrinhos, Sérgio Araújo, 49, ainda não tinha certeza do que comprar. Devido a pandemia do novo coronavírus e os horários diferenciados de abertura do comércio, ele afirma que saiu de casa já com o valor exato que pretende gastar. “Esse ano não vai ser lembrancinha, é presente mesmo, e pretendo gastar entre R$100 e R$150”, diz.

Marlene Barros, de 53 anos, retornou ao Centro para comprar presente para o neto, de 6 anos, após presentear outros seis sobrinhos. Ela preferiu levá-lo junto para “já escolher logo” o que queria receber de Dia das Crianças. “Com a pandemia também, tive que vir de última hora porque ele estava viajando, então não fica enrolando, já vem com a certeza”. Ela afirma já ter gastado em torno de R$ 400 com todos.

Para a cozinheira Claudete Aparecida Ribeiro, 43, o desafio é escolher o presente para a filha mais velha, de 8 anos. “O pequeno, de 1 ano, é mais fácil de escolher, qualquer coisa que faça barulho já está bom. Mas ela pega um brinquedo, depois olha outro e troca, tem que procurar”, afirma. Claudete e o marido estipularam o valor de R$100 para os dois presentes.

Pais gastam mais e levam crianças para escolher presente de última hora em Campo Grande
Regiane comprará presentes para filho e sobrinha. (Foto: Henrique Arakaki)

A auxiliar de cozinha Regiane Santana, de 29 anos, levou o filho de 5 anos para escolher o presente dele e da sobrinha, de 2. “Como ele é autista, procuro algo mais interativo, mas ele gosta muito de bola. Para minha sobrinha é certeza, tem que ser boneca”. Regiane ainda não tem ideia de quanto vai gastar com os presentes.

Os valores acimas de R$100 refletem a maioria das compras feitas por pais que procuraram presentes desde sábado, para o Dia das Crianças. O encarregado da Giga da Avenida Afonso Pena, Leandro Santos da Silva, 26, afirma que este ano a quantidade de pessoas diminuiu em relação à 2019. Em compensação, o valor médio de presentes passado nos caixas aumentou.

“Sábado foi o dia de maior movimento, hoje está razoável. Os pais estão trazendo as crianças junto e alguns brinquedos com valores maiores já acabaram, como o robô que dança e dragão que solta fumaça”.

Leandro ainda conta que a loja chegou a fazer ações para chamar atenção dos clientes, como exposição de brinquedos chamativos e com luzes, o que atraiu um novo tipo de público. “Teve bastante procura também por brinquedos de R$ 2,99 até R$ 5,99, mas os com saída disparada são carrinho e boneca. Várias pessoas procuram brinquedos de menor valor para realizar doações, esses voluntários que vão entregar para crianças”, explica.

Pais gastam mais e levam crianças para escolher presente de última hora em Campo Grande
Sem famosa ‘lembrancinha’, pais investem em presentes para o Dia das Crianças. (Foto: Henrique Arakaki)

Por força da Convenção Coletiva de Trabalho, firmada entre o Sindicato do Comércio Varejista de Campo Grande (Sindivarejo-CG), Fecomércio MS e o Sindicato dos Empregados no Comércio de Campo Grande, as empresas do comércio varejista e atacadista estão autorizadas a abrir neste 12 de outubro.

Jornal Midiamax