Cotidiano

Na véspera da votação, ainda tem eleitor confuso sobre horário, caneta e biossegurança

Regras excepcionais elaboradas pelo TSE para as eleições de 2020 ainda geram dúvidas entre os votantes de Campo Grande.

Jones Mário Publicado em 14/11/2020, às 11h08 - Atualizado às 17h11

None

Faltando menos de 24 horas para o primeiro turno das eleições, é fácil encontrar pelas ruas eleitores ainda confusos com as regras da votação. As dúvidas vão do horário estipulado ao uso de caneta.

Os locais de votação abrem as portas neste domingo (15) às 7h. O pleito segue até 17h. O horário foi estendido em uma hora a fim de evitar aglomerações e, assim, o contágio em massa pelo novo coronavírus.

As três primeiras horas de votação, das 7h às 10h, são preferenciais ao grupo de risco da doença, como os idosos. Mas não são exclusivas ao público, como se confundiu Jovanir Costa, de 60 anos, que trabalha na construção civil.

Na véspera da votação, ainda tem eleitor confuso sobre horário, caneta e biossegurança
Horário preferencial de votação para idosos confundiu Jovanir Costa (Foto: Leonardo de França/Midiamax)
Na véspera da votação, ainda tem eleitor confuso sobre horário, caneta e biossegurança
Laiz Félix tinha dúvidas sobre o uso da caneta nestas eleições (Foto: Leonardo de França/Midiamax)

“Eu tenho que chegar antes? Se eu for depois das 10h não vou poder votar?”, perguntou Costa à reportagem.

Laiz Félix, 20, entregava panfletos no Centro de Campo Grande quando foi abordada sobre as regras para a votação deste ano. “Não sei nem se precisa levar a própria caneta”, disse.

Não é obrigatório, mas recomendado, Laiz. Sem biometria este ano, os eleitores vão precisar assinar o caderno de votação. Levar a própria caneta evita o compartilhamento do objeto, eventual causa de contaminação pela covid-19.

Existem eleitores “totalmente por fora”, como a coordenadora pedagógica Angélica Macarine, 37, e gente “desinteressada pela política”, como a servidora pública Lucimeire Nogueira, 46.

Por outro lado, a professora Miriam Nascimento, 40, não está por dentro, como aprova as medidas excepcionais. “Foram bem elaboradas e necessárias. Utilizar a caneta pessoal, o horário para os idosos, álcool em gel na entrada, não ter necessidade de entregar o documento na mão do mesário. Mas tem que ser respeitadas. Não adianta ter e não obedecer”, avisou.

Colégio eleitoral de Campo Grande

Segundo o TSE (Tribunal Superior Eleitoral), 612.487 eleitores campo-grandenses devem ir às urnas neste domingo. Os votantes devem usar máscara.

Jornal Midiamax