Cotidiano

Na pior semana da pandemia, MS tem 22 mortes e 1.652 novos casos de Covid-19 em 24h

Mato Grosso do Sul vive o pior momento até agora da pandemia pelo coronavírus (Covid-19) e registrou 22 mortes e 1.652 novos casos da doença confirmados nas últimas 24h. O boletim foi divulgado na manhã desta quarta-feira (23). Conforme os dados, com esses números, a média móvel de casos dos últimos 7 dias é de […]

Gabriel Maymone Publicado em 23/12/2020, às 11h26 - Atualizado em 24/12/2020, às 08h05

MS tem maior média móvel de casos desde o início da pandemia. (Foto: Leonardo de França, Midiamax)
MS tem maior média móvel de casos desde o início da pandemia. (Foto: Leonardo de França, Midiamax) - MS tem maior média móvel de casos desde o início da pandemia. (Foto: Leonardo de França, Midiamax)

Mato Grosso do Sul vive o pior momento até agora da pandemia pelo coronavírus (Covid-19) e registrou 22 mortes e 1.652 novos casos da doença confirmados nas últimas 24h. O boletim foi divulgado na manhã desta quarta-feira (23).

Conforme os dados, com esses números, a média móvel de casos dos últimos 7 dias é de 1.224 casos por dia, a maior já registrada desde o início da pandemia. A média móvel de mortes também bateu novo recorde, com média de 21,7 óbitos por dia na última semana. “São números muito expressivos, maior média móvel que já tivemos. Fecharemos o mês de dezembro com mais casos da Covid-19 em MS”, lamentou o secretário estadual de saúde, Geraldo Resende.

Outro dado preocupante é a taxa de ocupação de leitos UTI (Unidade de Terapia Intensiva), que na macrorregião de Campo Grande (que abrange cidades como Aquidauana e Sidrolândia) chegou a 111%. No total, são 663 pessoas internadas com a doença em MS, sendo que 293 estão em estado crítico. “Chegamos no nosso limite de ocupação de leitos”, informou Resende.

Nas outras macrorregiões a situação é um pouco mais confortável: Dourados tem ocupação de 81%, Corumbá com 59% e Três Lagoas de 53%.

Covid-19

A pior semana da pandemia

De acordo com os números apresentados pela secretária adjunta de saúde, Crhistinne Maymone, a semana epidemiológica que começou no último domingo (20) já registrou 4.786 novos casos até terça-feira. “A semana termina no sábado e, certamente, desde abril é o pior momento da pandemia”, disse.

Além disso, nos últimos três dias o Estado somou 98 mortes por coronavírus, que representa média de 32 óbitos por dia.

Atualmente, MS tem o maior número de casos ativos já registrados, ou seja: pessoas que estão infectadas e ainda não foram consideradas recuperadas. São 15.426 casos ativos.

A taxa de contágio é considerada altíssima, de 1,15%. A letalidade em relação aos casos confirmados é de 1,7%.

Covid-19
Geraldo Resende e Crhistinne Maymone apresentam dados da Covid-19 em MS. (Imagem: Reprodução)

Foco em Campo Grande

Além de não ter mais leitos disponíveis, a Capital registrou 602 novos casos confirmados da doença nas últimas 24h. Na sequência estão Dourados (228), Três Lagoas (73) e Maracaju (66).

Das 22 mortes registradas no Estado, 7 foram em Campo Grande. Já Dourados e Naviraí tiveram duas mortes cada.

Além disso, a Capital tem a 2ª maior incidência da doença em MS, com 6.334 casos para cada 100 mil habitantes. O primeiro é Chapadão do Sul, com incidência de 6.515 ou 6,5 a cada 1000 habitantes.

Jornal Midiamax