Cotidiano

Mulher que deixou MS há 6 meses para cuidar da mãe morre de coronavírus na Bolívia

Laura Suárez, 65 anos, deixou filhos e netos em novembro e seguiu para Puerto Suárez; mãe de 106 anos e irmão também morreram de Covid-19.

Humberto Marques Publicado em 25/06/2020, às 17h13 - Atualizado em 26/06/2020, às 08h03

Pessoas andando de máscara pelas ruas do país, durante a pandemia. (Ilustrativa)
Pessoas andando de máscara pelas ruas do país, durante a pandemia. (Ilustrativa) - Pessoas andando de máscara pelas ruas do país, durante a pandemia. (Ilustrativa)

Em novembro de 2019, Laura Suárez se despediu dos filhos e netos e deixou São Gabriel do Oeste em direção à Bolívia. A ideia era retornar a Puerto Suárez para cuidar da mãe, de 106 anos. Há cerca de uma semana, porém, os planos mudaram diante da suspeita – depois confirmada – de que ela havia contraído o novo coronavírus (Covid-19).

Hipertensa, Laura era nascida em Corumbá e morreu na última quinta-feira (18 de junho). A mãe, Alexandrina Suárez, com quem ela compartilhava a cama, também se tornou vítima da doença –assim como um tio. Devastadora, a doença impediu que filhos e netos de Laura, que não a viam desde sua partida para a Bolívia, pudessem se despedir da mãe.

“Queríamos ir buscar ela, mas teve a pandemia e fechou tudo. Ela morava com minha avó na Bolívia, onde pegou o coronavírus”, afirmou Celso Suárez Castelo, filho de Laura e residente em São Gabriel. Segundo ele, nenhum dos irmãos ou outros parentes brasileiros mantivera contato pessoal com Laura nas últimas semanas –a mãe contraiu a doença em Puerto Suárez.

Ele admitiu que, mesmo com os perigos, quis trazer a mãe de volta, sendo demovido pelas autoridades dos dois países. “Ela queria voltar, mas fecharam os ônibus. É algo que dói no coração: uma semana antes ela disse: ‘filho, vou ver minha mãe, pegar minha irmã mais nova e vamos para São Gabriel do Oeste. Minha casa está aí’”.

Celso afirma que o quarto foi arrumado esperando o retorno da mãe. Contudo, diante da notícia, hoje a família não consegue mais abrir a porta. Laura, disse o filho, é da linhagem dos fundadores de Puerto Suárez.

“Sábado [anterior ao óbito] ela ligou dizendo que estava muito gripada, com febre e dor de cabeça. Ela é hipertensa, não poderia ter pego”. Laura morreu na quinta-feira. Na segunda-feira anterior (15), foi um tio que também vivia na cidade boliviana. Alexandrina partiu na terça (23). Os dois também contrariam a Covid-19.

Com a notícia de que a mãe estava mal e desejava voltar, a família ensaiou um resgate: além de arrumarem a casa, tentaram arrumar um veículo. Uma parente, advogada, incentivou a desistência. “Ela ligou na Polícia Federal e no Consulado da Bolívia. Ambos deixaram claro que não tinha como. Iria de carro, mas seríamos bloqueados, não nos deixariam passar”.

Brasil e Bolívia fecharam suas fronteiras em virtude da pandemia de coronavírus. Recentemente, ônibus com bolivianos foram obrigados a voltar a São Paulo por não respeitarem os trâmites para entrar no país vizinho –outro grupo chegou a ficar 3 dias preso na fronteira entre os dois países até serem autorizados a seguir viagem. “Não tinha o que fazer”, disse Celso, indignado.

Seguindo os protocolos sanitários, o corpo de Laura foi enterrado horas depois de sua morte em Puerto Suárez, tendo como testemunha um tio que vive na cidade boliviana.

Família divulgou caso para alertar a população sobre os perigos do coronavírus

O caso foi divulgado para a imprensa de São Gabriel do Oeste pelo próprio Celso, conforme ele relatou ao Jornal Midiamax, com a intenção de abrir os olhos da sociedade para os riscos da Covid-19.

“Estamos todos isolados em casa há meses. Não tivemos contato com minha mãe e, por aqui, estamos sempre nos prevenindo. Mas quis divulgar isso para alertar: temos 113 casos [de coronavírus] aqui na cidade e sempre aparece alguém duvidando. Perder três pessoas da família para uma doença não é brincadeira”, afirmou ele.

Celso ainda conta que, enquanto a família tenta seguir adiante após as perdas, ainda presencia “bares cheios de gente e gente sem máscara” ao ler o noticiário sobre a Covid-19.

“Quero até ser voluntário na barreira sanitária, não quero ver minha cidade morrer. Enterrei meu pai por uma doença que fez cirurgia e minha mãe, que foi para Puerto Suárez feliz da vida ver sua mãezinha, morreu por uma coisa que nem ela imaginava”.

Os números sobre o coronavírus na Bolívia são atualizados, principalmente, por departamento (Estado). A perda de Celso não aparecia nos números de Puerto Suárez, que relatava apenas 8 casos positivos de Covid-19. Já o Departamento de Santa Cruz, o qual integra, somava 15,9 mil casos positivos, dos quais 9.573 seguem ativos e há 365 mortos.

Já São Gabriel do Oeste somou até esta quinta-feira (25) 113 casos positivos de coronavírus, não havendo óbitos. Em Mato Grosso do Sul são 6.523 casos confirmados e 62 mortes.

Jornal Midiamax